Geral

A ‘guerreira’ Roseana Sarney não é unanimidade nem dentro do PMDB

A ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) vive certo paradoxo dentro do seu grupo político. Enquanto alguns imploram por sua candidatura ao Governo do Estado, outros fazem pouco caso em relação a sua participação nas eleições em 2018.

Apesar do blefe de jogadora de carteado, a “Guerreira” não quer enfrentar uma desgastante disputa para voltar ao Palácio dos Leões. Prefere voltar à política por meio de um mandato na Assembleia Legislativa, focando, talvez, em 2022.

Ainda assim, dentro do PMDB e na imprensa local, existem grupos de apaixonados que insistem em fomentar a disputa com o governador Flávio Dino (PCdoB). Apelando para a vaidade da ex-governadora, os bajuladores de sempre apostam em convencê-la com o ufano discurso “Volta, Guerreira”.

Contudo, outros peemedebistas de relevância pensam de forma bem diferente. Nomes como o da deputada estadual Andrea Murad, Ricardo Murad. João Alberto e Lobão Filho são totalmente contra Roseana. Para essas lideranças, o tempo da esposa de Jorge Murad passou, mas ela ainda age como se fosse dona do PMDB.

Outro fator de desagrado os Murad, Lobão etc é a proteção de Sarney para a filha nas questões jurídicas; já que para os demais aliados o tratamento não é o mesmo. O próprio Sarney Filho, pré-candidato ao Senado Federal, sabedor do tratamento diferenciado dispensado à irmã, não move uma palha sequer em favor da candidatura dela.