Publicidade  Prefeitura de São Luis

Destaque

PSDB pode abrir mão de candidaturas próprias, sem competitividade, para garantir palanques fortes em apoio a Alckmin

Blog do Garrone

Embora tenha a sua pré-candidatura ao governo lançada pelo pré-candidato a presidente pelo PSDB, Geraldo Alckmin, o senador Roberto Rocha vai ter que aumentar o seu desempenho nas pesquisas eleitorais até a data da convenção do partido.

Matéria publicada no jornal O Estado de São Paulo (Leia Aqui) diz que, estagnado nas pesquisas de intenção de voto (variando entre 5 e 6%), o ex-governador de São Paulo busca palanques regionais fortes em outros partidos para compensar a falta de candidatos tucanos competitivos nos Estados.

– É importante para uma candidatura presidencial ter capilaridade nos Estados, com apoio de vereadores e prefeitos. Quem mobiliza essa rede é o candidato a governador. Temos que contar com uma tropa de choque que defenda a nossa bandeira no botequim”, disse ao Estadão, o deputado federal Marcus Pestana (MG), secretário-geral do PSDB.

O jornal paulista observa que revesadamente os dirigentes da legenda lembram, que em maio de 2014 o então pré-candidato, Aécio Neves – que tinha cerca de 20% de intenção de voto nas pesquisas – já contabilizava o apoio declarado de oito candidatos competitivos de outros partidos, dentre eles, Flávio Dino (PCdoB) no Maranhão.

Aliança que poderia se repetir em 2018, caso Rocha não tivesse deixado o PSB, partido pelo qual foi eleito senador com o apoio decisivo de Flávio, para tomar o PSDB do vice-governador Carlos Brandão, e se candidatar ao governo do estado. 

Na última pesquisa Datailha (MA-05944/2018) publicada no mês de maio, Roberto estava em penúltimo lugar com 0,8% das intenções de voto.

Daí a insistência do ex-governador e pré-candidato ao Senado pelo PSDB, José Reinaldo Tavares em defender a candidatura de Eduardo Braide, do PMN, que aparece na mesma pesquisa na terceira colocação com 3,42%.

Considerado um hábil articulador político e governador do Maranhão no mesmo período de um dos mandatos de Alckmin em São Paulo, Tavares tem trânsito livre na capital paulista e por saber que o partido tem desistido de candidaturas próprias pouco competitivas nos estados em troca de alianças ele defenda abertamente o nome de Braide.

No dia 25 do mês passado, em ato político em Salvador o deputado Federal João Gualberto, em situação semelhante a de Roberto, abriu mão de sua pré-candidatura a governador pelo PSDB para apoiar o pré-candidato pelo DEM, José Ronaldo.

Alguém tem dúvidas sobre qual barco que está afundando ?

Comantário

  1. Em outubro, com Alckmin eleito, tenho certeza que o País começará a andar. Acredito que teremos um 2019 diferente se o brasileiro realmente votar pra mudar, votar pra melhorar esse País.

Comments are closed.