Publicidade  Prefeitura de São Luis

Geral

A postura desesperada dos cabos eleitorais da oligarquia na imprensa

comendador_gilberto
Gilberto Léda recebe medalha de Roseana Sarney. No afã de agradar os chefes, ele não respeitou nem a dor de Flávio Dino.

O clima de desespero da campanha do candidato Edinho Lobão (PMDB) tem refletido no comportamento dos funcionários e serviçais de José Sarney na imprensa.

Não é o caso de todos, alguns deles parecem ter esquecido da conduta ética e profissional que rege o Jornalismo para se comportarem como verdadeiros cabos eleitorais da oligarquia Sarney.

Um exemplo é o jornalista Gilberto Léda, cria do deputado estadual Max Barros (PSD).

Concursado de Nível Médio do Tribunal de Justiça do Estado, ele foi cedido ao governo do Estado para ocupar, por seus préstimos nada republicanos, uma sinecura na Secretaria de Infraestrutura do Maranhão.

Na noite desta segunda-feira (04), durante a sabatina dos candidatos a governador realizada pela TV Guará, Léda chegou ao ponto de desrespeitar a dor do oposicionista Flávio Dino (PCdoB), ao provocá-lo de forma maliciosa, fazendo menção à morte do adolescente Marcelo Dino no debate sobre o tema Saúde.

O jornalista foi duramente repreendido pelo mediador da sabatina, Américo Azevedo, que interveio e deu a Dino a opção de responder ou não a questão pessoal.

De forma lúcida, o ex-juiz federal, que perdeu o filho há três anos, respondeu ao questionamento inapropriado de Gilberto, não se deixando levar pelo script de provocações seguido pelo serviçal da oligarquia.

O candidato oposicionista deixou o debate elogiado por seu preparo e postura diante da situação desumana.

Já o “jornalista que virou blogueiro” foi veementemente criticado pelo seu jogo baixo, por profissionais de imprensa, assessores e outros colegas de profissão que cobriam a sabatina.