Publicidade  Prefeitura de São Luis

São Luís vira canteiro de obras inacabadas

[yframe url=’http://www.youtube.com/watch?v=C2QwWEZCIT4′]

Castelo prometeu que transformaria São Luís em um canteiro de obras… Só não explicou que eram obras inacabadas.

Patrick Azevedo – O Imparcial

Um canteiro de obras inacabadas. Assim se encontra São Luís, capital do Maranhão, sete meses antes de completar 400 anos. Em agosto de 2010, o prefeito de São Luís, João Castelo, anunciou mais de R$ 36 milhões em obras que iriam acabar com alagamentos nos canais do Portinho – Mercado Central, Rio Gangan (no Turu), Renascença (Tropical Shopping), Salinas do Sacavém e Rua Cônego Tavares (no Anil) e Cine Teatro Municipal (Rua do Egito, Centro). O Imparcial percorreu canteiros de cinco dessas importantes obras iniciadas pela Prefeitura e constatou que quatro delas não cumpriram o prazo de conclusão.

A ordem de serviço para as obras de canalização e drenagem profunda do estacionamento do Tropical Shopping (próximo à sede de O Imparcial) foi assinada em 28 de agosto de 2010 e o prazo inicial de conclusão, que era de 11 meses, não foi cumprido. A obra já dura 18 meses e com o período de chuvas apenas se iniciando, ainda há o risco dos alagamentos no local, problema que se tornou tradicional nos últimos anos. O orçamento é de aproximadamente R$ 2, 323 milhões.

As obras de drenagem e pavimentação da Rua Cônego Tavares, ao lado do Grêmio Lítero Recreativo Português, no Anil, orçadas em R$ 1.353.309,54 foram autorizadas no dia 30 de agosto de 2010, também para acabar com alagamentos crônicos em torno do Colégio Cintra e do Grêmio Lítero Recreativo Português. O prazo de conclusão, que era de 11 meses, já foi ultrapassado em sete meses. A reportagem também esteve no local e constatou que as obras estão longe de serem finalizadas.

Somente as obras do Canal do Córrego Salinas e Rio das Bicas, no Coroadinho, está dentro do prazo. Autorizada em 30 de julho de 2011, com investimento de R$ R$ 19.087.085,85, a obra tem prazo de 20 meses para ser entregue à comunidade, ou seja, deve estar pronto em março de 2013.

A transformação do prédio do antigo Cine Roxy na sede do Cine Teatro Municipal, na Rua do Egito, no Centro, orçada em R$ 1.239.518,41, foi autorizada no dia 8 de junho de 2011. O prazo de conclusão era de 228 dias, ou sete meses e 18 dias. Em sua fachada uma placa informa que a data de conclusão da obra é 19 de fevereiro de 2012. Isto é: já está, pelo menos, há uma semana atrasada. Em nota, a Fundação Municipal de Patrimônio Histórico afirmou que a obra será entregue com atraso.

A Fundação Municipal de Patrimônio Histórico informa que a obra deve ser entregue no início de abril. “O novo calendário foi inclusive anunciado pelo prefeito Castelo”, diz Aquiles Andrade, presidente da Fundação. “Houve um problema no reforço estrutural do telhado e por isso foi necessária uma mudança no projeto”. Aquiles declara ainda que o atraso de dois meses não é tão grave. “A gente sabe que obras de reforma não são como obras novas, sempre podem ser encontrados reparos. Inclusive, a reforma do Cine Roxy em Cine Teatro Municipal é a obra na qual temos o melhor desempenho”, completa.

O Imparcial percorreu ainda o Mercado Central, com obras aparentemente já finalizadas. A assessoria da Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos (Semosp) informou que até abril será realizada a entrega oficial do Mercado Central à comunidade, que espera não sofrer mais com os alagamentos corriqueiros que tradicionalmente ocorriam no local.

Nossa equipe também questionou o motivo dos atrasos citados. Também perguntamos se há um calendário de possíveis inaugurações. A assessoria da Semosp solicitou que todos os questionamentos fossem encaminhados por email à secretaria, mas até o fechamento desta matéria, a Semosp não enviou resposta.