Vaza Jato: Moro buscou blindar FHC na Lava Jato pois “apoio” do tucano seria “importante” - Marrapá

Destaque

Vaza Jato: Moro buscou blindar FHC na Lava Jato pois “apoio” do tucano seria “importante”

Em nova reportagem do The Intercept Brasil sobre o Vaza Jato, o ex-juiz federal Sérgio Moro aparecer em conversas tentando blindar o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso das investigações do Ministério Público Federal para garantir o apoio do tucano. O procurador Deltan Dallagnol ainda considerou que era importante fingir estar investigando o tucano para passar imagem de imparcialidade.

Em troca de mensagens com Dallagnol, no dia 13 de abril de 201 7- quando o “Jornal Nacional” divulgou que FHC estaria sendo investigado pela Lava Jato – Moro reclamou da denúncia contra o ex-presidente, destacando prescrição e possível perda de apoio.

Moro – 09:07:39 – Tem alguma coisa mesmo seria do FHC? O que vi na TV pareceu muito fraco?

Moro – 09:08:18 – Caixa 2 de 96?

Dallagnol – 10:50:42 – Em pp sim, o que tem é mto fraco

Moro – 11:35:19 – Não estaria mais do que prescrito?

Dallagnol – 13:26:42 – Foi enviado pra SP sem se analisar prescrição

Dallagnol – 13:27:27 – Suponho que de propósito. Talvez para passar recado de imparcialidade

Moro – 13:52:51 – Ah, não sei. Acho questionável pois melindra alguém cujo apoio é importante

Após a pergunta de Moro, Dallagnol teria ido tirar satisfação com os procuradores do Distrito Federal, responsáveis pela acusação.

Dallagnol – 11:42:54 – Caros o fato do FHC é só caixa 2 de 96? Não tá prescrito? Teve inquérito?

Sérgio Bruno Cabral Fernandes – 11:51:25 – Mandado pra SP

Sérgio Bruno Cabral Fernandes –11:51:44 – Não analisamos prescrição

Dallagnol – 13:26:11 – 👍👍😉

Segundo o The Intercept, essas revelações sugerem mais uma vez a parcialidade na Lava Jato, que tanto Moro quanto a força-tarefa negam veementemente. Nas mensagens divulgadas nesta terça-feira (18), Moro aparece explicitamente preocupado com investigações da Lava Jato contra um apoiador político. E Dallagnol admitia acreditar que outros procuradores passaram adiante a investigação sabendo que não resultaria em processo, com o objetivo de fabricar uma falsa percepção pública de “imparcialidade”, sem colocar FHC em risco.

Confira a íntegra da reportagem aqui.

Com informações da Revista Fórum