Simplício enquadra Adriano Sarney - Marrapá

Destaque

Simplício enquadra Adriano Sarney

O secretário de Indústria e Comércio, Simplício Araújo, respondeu o deputado Adriano Sarney. Em artigo, o auxiliar de Dino detonou o neto da oligarquia responsável “pelo caos e por tudo o que temos de errado no Brasil e Maranhão”.

Veja o artigo:

O Maranhão merece respeito!!!

Aqui no Maranhão temos nos debruçado incansavelmente em duas importantes frentes de trabalho para manter o estado funcionando e dando respostas a população, desde 2015, em meio a maior das crises econômicas que o país já passou, maior que a de 1929. Crise que já colocou de joelhos e em frangalhos estados ricos da federação como Minas Gerais, Rio de Janeiro e tantos outros que já declararam a incapacidade total de manter seus compromissos em dia e de garantir segurança aos credores e aos trabalhadores. A primeira frente é conduzida com muita responsabilidade e zelo pelo próprio governador que é o controle fiscal e de fluxo de caixa do estado, a segunda é a peregrinação diária, de domingo a domingo, como fizemos no último dia 9, buscando investidores e empreendimentos para nosso estado.

Mas, via de regra, temos que aturar e calmamente tentar mostrar a verdade a algumas aves de mau agouro, que não estando, em meio a esta crise, vilipendiando o governo, como fizeram por décadas, tem o descaramento de desrespeitar o povo maranhense mandando nossos irmãos irem para Marabá, como fora feito neste domingo pelo Neto do maior oligarca vivo e, sem dúvida nenhuma, um dos maiores responsáveis pelo caos e por tudo o que temos de errado no Brasil e Maranhão, pois desde que o maranhense ouviu falar no nome dele, ele sempre esteve a sombra do poder em nosso país, seja de esquerda, de direita ou mesmo na ditadura. Foi sob a batuta da família dele que o maranhense foi vítima de sucessivos golpes como Usimar, Polo de Confecção de Rosário, Salangô e Refinaria Premium de Bacabeira, para não alongar a lista.

O artigo que circula nas redes sociais e alguns blogs versa sobre a “perda da siderúrgica chinesa” para o Pará, sobre grandes empreendimentos, incentivos fiscais, tudo direcionado para colocar no colo do Governo Flávio Dino uma serie de problemas que o Brasil inteiro luta para superar desde 2015.

Sobre a Siderúrgica, segundo o artigo, teríamos perdido 15 mil postos de trabalho para o Pará, apenas por ter o Pará assinado um protocolo de intenções muito inferior aos protocolos assinados com os chineses do Polo de Confecção de Rosário e a então Governadora Roseana Sarney, tia de Adriano Sarney.

Sobre os grandes empreendimentos o miserável artigo alega que tudo só ocorreu no Maranhão em decorrência da “forte representação em nível nacional” de seu avô, tios, pai, primos, parentes e agregados, que teriam a magnânima força para atrair Suzano, Vale, Alumar, Eneva, Wtorre…

Tivesse esse rapaz a altivez de conhecer a terra que lhe bancou a vida até hoje, ou estudado um pouco mais sobre esse estado, a quem ele e os seus tudo devem, talvez se deparasse com os mais de 300 mil hectares de eucaliptos plantados no Maranhão, Pará e Tocantins que trouxeram a Suzano ao Maranhão, com o gás natural que é outra riqueza natural maranhense explorada pela Eneva e com certeza não confundiria a profundidade dos rombos e desvios dos governos de sua família em nosso estado com a profundidade dos portos instalados no Maranhão, que atraem para a baia de São Marcos os grandes navios de minério que jamais irão aportar no Pará nos próximos 20 anos.

Talvez um dia esse moço, revoltado por ter o povo do Maranhão virado as costas aos seus depois de tanto sofrimento, resolva usar seus conhecimentos de economia para ler um pouco mais sobre a conjuntura atual e as dificuldades dos governos, em menos de 24 horas ele entenderia a dificuldade e o quão competente é o governador Flávio Dino e quem sabe pudesse até mesmo ver quanta oportunidade nós perdemos nas décadas de atraso dos governos de sua família.

Um cidadão que não conhece o Maranhão e foi formado às custas dos maranhenses, em gestão pela universidade Harvard, não pode desacatar o povo do Maranhão com um programa de empregos “vá para Marabá”.

Uma pena a insensatez desse moço, o Maranhão de hoje é resultado dos últimos 50 anos. Desonrar o Maranhão é um ato covarde.

Sendo formado em Gestão a custa da pobreza da grande maioria dos nossos irmãos, ele com certeza nunca assimilou os aprendizados de Harvard, nunca geriu nada na vida e teve o mesmo destino dos filhos de alguns abastados que, sendo incapazes, tiveram que buscar guarita na vida pública, é por causa de gente como esse deputado que a politica está tão ruim. Gente que se vale dos votos daqueles que deveriam respeitar.

Simplicio Araújo é Secretário de Industria, Comércio e Energia do Maranhão