Revelações de Joice escancaram mentiras e conduta indigna de Bolsonaro - Marrapá

Destaque

Revelações de Joice escancaram mentiras e conduta indigna de Bolsonaro

As revelações de que Eduardo Bolsonaro lidera o chamado “gabinete do ódio”, que ataca nas redes sociais de opositores e os “inimigos” do clã Bolsonaro, geraram revolta e indignação na Câmara dos Deputados. Vice-líder do PCdoB, Márcio Jerry afirmou que as denúncias feitas pela ex-líder do PSL, deputada Joice Hasselmann (SP), durante a CPMI das Fake News, nesta quarta-feira (4), reforçam os argumentos de que o Governo de Jair Bolsonaro (sem partido-RJ) foi construído sobre mentiras e que o atual presidente não é digno de ocupar a presidência da República.

“Não tem como dizer que o presidente Jair Bolsonaro não sabe das atitudes dos filhos Eduardo, Carlos e Flávio, e dos “irmãos”, como o Queiroz e a turma do condomínio. Joice, que viveu nas entranhas do sistema de poder, nos apresenta que o esquema Bolsonaro de poder é assentado sobre a mentira. Não é correto estruturar a política, ganhar a eleição e governar na mentira”, afirmou Márcio Jerry.

O deputado federal pelo PCdoB se disse incrédulo com a confissão de que Carlos Bolsonaro (PSC), vereador pelo Rio de Janeiro, utilizava as redes sociais do Presidente. “Como se admite que o filho tenha ousado, tenha o desplante, a arrogância, a estupidez autoritária de querer desenhar uma ABIN paralela no coração do governo? Essa CPMI precisa ir a fundo nisso, convocar o depoimento do ex-ministro Gustavo Bebbianno (PSDB-RJ) para dar explicações, dentre todas as coisas inaceitáveis essa é a mais grave”, disse.

Durante a explanação de Joice, foi exibido um vídeo em que militantes bolsonaristas apresentavam armas e diziam que iriam “pegar” o Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes. “É perplexo e assustador assistir, por exemplo, a simulação do assassinato de um membro do STF. Isso não é pequeno, tem um efeito simbólico demolidor, tem um efeito devastador de incitação ao crime. Nós precisamos recuperar a civilidade, as boas práticas na política, e que nós digamos ‘não’ a qualquer tipo de milícia, sejam aquelas que o Queiroz conhece muito bem ou as que o clã Bolsonaro maneja na redes”, completou Márcio Jerry.