Que coisa feia, Imirante