E-mail: redacao@marrapa.com
Rádio Timbira Ao Vivo
– Roseana Sarney
  • Geral Humor
  • Rapidinhas da tarde

    Farinha pouca… Apesar da determinação de que nenhum deles poderá concorrer nas próximas eleições, quase todos os secretários de Edivaldo Holanda Junior têm usado a estrutura da Prefeitura de São Luís para projetar candidaturas a vereador. Um dos casos mais explícitos é o do midiático Canindé Barros, da SMTT, que tem ido de bairro em bairro […]

    19 de março de 2015 | Por:

    Farinha pouca…

    Apesar da determinação de que nenhum deles poderá concorrer nas próximas eleições, quase todos os secretários de Edivaldo Holanda Junior têm usado a estrutura da Prefeitura de São Luís para projetar candidaturas a vereador.

    Um dos casos mais explícitos é o do midiático Canindé Barros, da SMTT, que tem ido de bairro em bairro para “apresentar os novos ônibus à população”.

    Os 221 veículos que compõem a nova frota do sistema de transporte da capital foram entregues pelo prefeito no mês de fevereiro.

    Caninde

    Meu pirão primeiro…

    Já a deputada federal Eliziane Gama (PPS), que recebeu do eleitorado ludovicense quase 70 mil votos, abriu mão do projeto de discutir a destinação de suas emendas nos bairros da capital para não beneficiar a gestão do prefeito Holandinha, a quem considera adversário político.

    Preferiu destinar boa parte de suas emendas parlamentares a aliados do interior. Que o diga o prefeito da minúscula cidade de Santa Helena, contemplada com R$ 7,8 milhões.

    Pagou com traição

    Outro que não enviou um tostão sequer para investimentos em São Luís foi o ex-vice-prefeito Roberto Rocha (PSB). Agora senador, Rocha trabalha para emplacar o filho Roberto Rocha Jr (PSB) na chapa de Eliziane a prefeita.

    11057336_1610695509149695_1982421304036276641_n

    Art. 288 CP

    Sarnopetistas compareceram ao lançamento da revista de Ricardo Murad (PMDB), na última segunda-feira, para garantir ao cunhado da ex-governadora Roseana que ele terá o apoio da facção petista caso seja candidato a prefeito de São Luís.

    Força-tarefa

    O delegado-geral da Polícia Civil, Augusto Barros, vai sugerir ao Gabinete de Gestão Integrada do Governo do Maranhão a criação de uma força-tarefa para investigar os crimes de agiotagem no estado.

    Cavalo de Tróia

    A Secretaria de Cultura do Estado disparou ofício ao Teatro Arthur Azevedo proibindo o historiador Américo Azevedo de trocar uma lâmpada sequer sem autorização.

    A jornalista Ester Marques também não atende o diretor há dois meses e se recusa a nomear os servidores indicados para o quadro de pessoal da casa.

    IMG_0127Crise

    Dirigentes do Bumba Meu Boi da Maioba dizem ter testemunhado uma conversa ríspida em que a titular da Cultura destratou a colega Delma Andrade, da Secretaria de Turismo.

    Ausente

    A fim de evitar constrangimento com os ex-aliados, o líder do governo Flávio Dino (PCdoB) no legislativo, deputado Rogério Porcão (PSC), se retira do plenário todas as vezes em que os oposicionistas Adriano Sarney e Andrea Murad (PMDB) ameaçam subir a tribuna.

  • Geral
  • Eduardo Braide rebate Edilázio Sarney: Não há qualquer irregularidade na CCL do governo Dino

    O deputado Eduardo Braide (PMN) ocupou o Grande Expediente, na sessão desta quarta-feira (18), para reafirmar que não há ilegalidade na Comissão Central de Licitação do governo Flávio Dino. “Quero deixar claro, de uma vez por todas, e tranquilizar a todos que, em nenhum momento, o governo do Estado agiu com ilegalidade ou teve a […]

    18 de março de 2015 | Por:

    braide

    Remoendo: Eduardo Braide rebateu com maestria às acusações infundadas de Edilázio Sarney.

    O deputado Eduardo Braide (PMN) ocupou o Grande Expediente, na sessão desta quarta-feira (18), para reafirmar que não há ilegalidade na Comissão Central de Licitação do governo Flávio Dino.

    “Quero deixar claro, de uma vez por todas, e tranquilizar a todos que, em nenhum momento, o governo do Estado agiu com ilegalidade ou teve a intenção de burlar a Lei de Licitações”, discursou Eduardo Braide. Ele frisou que fez questão de usar o Grande Expediente para reafirmar a legalidade dos atos praticados pela atual Comissão de Licitação.

    “Mantenho todas as palavras, inclusive com as vírgulas do discurso que fiz na sessão anterior”, salientou Eduardo Braide, esclarecendo questionamentos feitos anteriormente pelos deputados Edilázio Júnior e Adriano Sarney, ambos do Partido Verde.

    Em seu discurso, Eduardo Braide invocou o prejulgado de número 1.946, do Tribunal de Contas de Santa Catarina, que diz o seguinte: “Para compor o patamar de 2/3 exigidos pela legislação licitatória, poderão ser nomeados servidores efetivos ou comissionados”.

    Braide acrescentou que os Tribunais de Contas, que são os órgãos competentes para análise de contas, permitem até que o servidor comissionado integre o percentual de 2/3 previsto na Lei de Licitação.

    O deputado leu também na tribuna o Item 4º da consulta respondida: “é admissível a participação de servidores cedidos ou terceiros estranhos à licitação, sendo que este último deverá demonstrar requisito de qualificação ou especialização técnica, com conhecimentos e ou habilidades suficientes para prática da tarefa para o qual foi escolhido”.

    Eduardo Braide declarou que a legislação prevê que servidor cedido por algum outro órgão de outro ente tenha a capacidade técnica necessária de julgar qualquer certame que chegue para a sua apreciação.

    Uma vez mais, o deputado defendeu a nomeação do servidor Luís Carlos Oliveira Silva, escalado para compor a Comissão de Licitação: “Eu tenho absoluta certeza de que o senhor Luis Carlos Oliveira, que é oriundo do Ministério Público do Trabalho, tem absoluta capacidade para promover os julgamentos necessários no que diz respeito à situação dos certames que chegarem até a Comissão de Licitação do Estado”.

    Eduardo Braide insistiu na informação de que a nomeação dos membros da Comissão atendeu aos requisitos previstos na Lei 8.666 e na Lei Estadual 9.079/2012, que dispõem sobre a obrigatoriedade de a Comissão de Licitação do Estado ter, no mínimo, a participação de dois servidores efetivos.

    DIÁRIO OFICIAL

    O deputado acrescentou que por se tratar de uma comissão que lida com muitos interesses, principalmente no que diz respeito à contratação de empresas, às vezes com valores muito elevados, então existe a regra de que pelo menos dois componentes da Comissão de Licitação sejam servidores efetivos.

    Ele citou que foram publicados no Diário Oficial do Poder Executivo do dia 19 de janeiro de 2015, na página 10, os membros que foram nomeados para a Comissão de Licitação com os seguintes termos: nomear os integrantes do quadro abaixo para os cargos em comissão da Comissão Central Permanente de Licitação, devendo assim ser considerada a partir do dia 1º de janeiro de 2015.

    “Não há nenhum motivo nem preocupação a respeito de qualquer possibilidade de anulação dos certames que têm acontecido na Comissão de Licitação, tendo em vista que a nomeação dos servidores para dela fazerem parte atendeu aos requisitos da legislação em vigor”, declarou Eduardo Braide.

  • Geral
  • Oligarquia sarneyzista em polvorosa. Entenda o por quê

    Fim dos contratos milionários, corte em gastos excessivos, fim de antigos privilégios familiares, abertura das informações do Estado do Maranhão deste e dos governos anteriores. Este cenário que para a população do Maranhão significa um avanço institucional, para as vozes da oligarquia significa a abertura das grandes chagas de um regime retrógrado que se sustenta […]

    de março de 2015 | Por:

    Oposição Assembleia

    Fim dos contratos milionários, corte em gastos excessivos, fim de antigos privilégios familiares, abertura das informações do Estado do Maranhão deste e dos governos anteriores. Este cenário que para a população do Maranhão significa um avanço institucional, para as vozes da oligarquia significa a abertura das grandes chagas de um regime retrógrado que se sustenta dos sofrimentos dos mais pobres.

    As vozes da oligarquia representadas e ouriçadas na Assembleia Legislativa clamam cada vez mais forte pela manutenção dos poderes que acumularam ao longo de 5 décadas. Andrea Murad e Souza Neto, representando os interesses de Ricardo Murad. Adriano Sarney e Edilázio Junior, do campo mais próximo a Roseana e José Sarney. Os quatro representando um só interesse.

    Alguns acontecimentos demarcam o sentimento de alerta chegando até ao desespero das vozes da oligarquia que bradam na Assembleia. O blog faz algumas lembranças, que podem esclarecer os motivos de tanto alvoroço pelo fim dos privilégios.

    1 – Saúde. O governo do Estado já anunciou licitação para contratação de Oscips, que não acontece há 20 anos. A contratação feita pelo governo Roseana acontecia pela livre escolha do secretário, sem que ninguém tivesse acesso às regras de escolha, a não ser a vontade do ex-todo poderoso Ricardo Murad;

    2 – Contratos. Auditorias e processos administrativos para averiguar possíveis superfaturamentos em pastas de todo o Governo. As investigações já assustam preventivamente as vozes do atraso.

    3 – Liminares e acordos judiciais. O corte nos repasses do acordo da Constran intermediados pelo doleiro Alberto Yousseff para beneficiar Roseana Sarney. O caso Remoel, que beneficiaria empresa ligada ao grupo Sarney. A quem desagrada por tudo isso posto às claras?

    Tá bom ou quer mais? Em breve, o blog traz mais novidades sobre os bastidores do poder.

     

  • Geral
  • Constrangimento: Adriano Sarney enquadra o ex-sarneyzista Rogério Porcão

    Blog do John Cutrim, com edição do Marrapá O deputado Adriano Sarney, neto do senador José Sarney, não se conteve ao ver o agora ex-sarneyzista Rogério Cafeteira, líder do governo, atacar a sua família e o grupo político o qual integrava. Rogério era um dos mais ávidos defensores da oligarquia e da candidatura de Lobão […]

    3 de fevereiro de 2015 | Por:

    Deputado-Adriano-Sarney-e1422983996436

    Neto de Sarney enquadrou ex-apaniguado vira casaca.

    Blog do John Cutrim, com edição do Marrapá

    O deputado Adriano Sarney, neto do senador José Sarney, não se conteve ao ver o agora ex-sarneyzista Rogério Cafeteira, líder do governo, atacar a sua família e o grupo político o qual integrava. Rogério era um dos mais ávidos defensores da oligarquia e da candidatura de Lobão Filho, adversário de Flávio Dino.

    Em discurso proferido na sessão desta terça-feira (3), Rogério Cafeteira afirmou que o governo Roseana Sarney tinha responsabilidade pelo fracasso da Refinaria Premium em Bacabeira. Adriano não tolerou a postura incoerente, tamanha falta de postura e a ausência de estatura ética e moral e tratou de enquadrar Cafeteira, colocando-o em seu devido lugar.

    “Não posso ficar calado, ao ver citados o ex-senador José Sarney e a ex-governadora Roseana Sarney, ambos que estão aposentados da vida política e não estão aqui para se defender”, retrucou Adriano Sarney.

    Até pouco tempo, Rogério Cafeteira e muitos outros sarneyzistas bem situados no atual governo viam Flávio Dino e o grupo de oposição como inimigos a serem combatidos e destruídos. Muitos foram perseguidos, prejudicados e muita das vezes humilhados pelo clã Sarney e membros do grupo oligárquico, do qual Rogério fazia parte até o dia 31 de janeiro de 2014. Bastou a família Sarney deixar o poder para que Rogério e muitos outros súditos da oligarquia deixassem a família Sarney e aderissem ao dinismo.

    20150110_112942

    Oposição promete transformar Rogério Cafeteira, líder do governo Flávio Dino na Assembleia, em torresmo.

    Em resposta à fala dura de Adriano Sarney, Cafeteira ficou sem reação e, contido, se defendeu ao alegar que respeitava o clã e ainda mantinha relação cordial com os Sarneys.

    “Eu não entendi a veemência do deputado Adriano Sarney porque eu não vejo de forma nenhuma ter desrespeitado a ele, ao avô dele, nem a tia dele, que, por sinal, mantenho relações cordiais e entre a minha família também, quando eu citei e só posso imaginar que seja por aí que o senador Cafeteira só disputou uma vez, uma vez uma eleição ao lado do governo, é porque na última vez e nesse mandato que se encerra, nós tivemos juntos, junto com a governadora, a ex-governadora Roseana Sarney, disputando o mandato de senador na coligação dela, e talvez o deputado não se recorde, mas nós éramos oposição ao governo, éramos oposição. De maneira nenhuma, deputado Adriano, e você jamais ouvirá da minha boca qualquer palavra de desrespeito a sua família porque tenho respeito por todos eles, e relações cordiais e espero mantê-las, assim como com Vossa Excelência. Não vi a questão em momento nenhum, saiu da minha boca a questão de oligarquia”, defendeu-se Cafeteira.

  • Geral
  • “A dinastia chegou ao fim”, afirma neto de José Sarney

    Estadão Na condição de deputado estadual pelo PV do Maranhão, o neto do senador José Sarney (PMDB) fez prognóstico do fim da era Sarney no estado. “A dinastia chegou ao fim. Agora o grupo, que um dia se chamou de Grupo Sarney, se quebrou”, disse Adriano Sarney, o filho do deputado federal Zequinha Sarney (PV). […]

    11 de janeiro de 2015 | Por:

    Estadão

    adriano-sarneyNa condição de deputado estadual pelo PV do Maranhão, o neto do senador José Sarney (PMDB) fez prognóstico do fim da era Sarney no estado. “A dinastia chegou ao fim. Agora o grupo, que um dia se chamou de Grupo Sarney, se quebrou”, disse Adriano Sarney, o filho do deputado federal Zequinha Sarney (PV).

    O parlamentar estreante na política, de 34 anos, justifica seu pensamento ao observar o movimento político dos aliados, que, segundo ele, começam a se mover em direção aonde o poder está. “Alguns vão fazer oposição a Flávio Dino [governador eleito pelo PCdoB], outros vão para a base do novo governo”, diz.

    Um amigo do grupo, que já deu sinais de dissidência, é o ex-ministro do Turismo Gastão Vieira, que anunciou no último domingo o desejo de deixar o PMDB para trabalhar para o governador Flávio Dino.

    O novo chefe do Executivo derrotou nas eleições o candidato dos Sarney, Edison Lobão Filho, colocando fim aos quase 50 anos de domínio da família.

  • Geral
  • Foto-Fofoca: Oligarquia Murad em fuga

    O ex-secretário de Saúde Ricardo Murad (PMDB) não esperou para assistir a diplomação do governador eleito do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB). Um dos principais articuladores da candidatura derrotada de Edison Lobão Filho (PMDB), o cunhado da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) saiu à francesa, depois que a filha Andréa Murad (PMDB) e o genro Souza Neto (PTN) foram […]

    20 de dezembro de 2014 | Por:

    ri-murad (1)O ex-secretário de Saúde Ricardo Murad (PMDB) não esperou para assistir a diplomação do governador eleito do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB).

    Um dos principais articuladores da candidatura derrotada de Edison Lobão Filho (PMDB), o cunhado da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) saiu à francesa, depois que a filha Andréa Murad (PMDB) e o genro Souza Neto (PTN) foram diplomados deputados estaduais.

    Na foto ao lado, registrada pelo jornalista Ricardo Santos, Murad puxa a esposa Tereza Murad pelo braço, dirigindo-se à porta de saída do Centro de Convenções Pedro Neiva de Santana. Andréa acompanhou o pai logo em seguida.

    A postura antidemocrática da família Murad não foi compartilhada pelos membros do clã Sarney presentes no ato. Tanto o deputado federal Sarney Filho (PV) quando o filho Adriano Sarney (PV), diplomado deputado estadual, permaneceram até o final da cerimônia e acompanharam o discurso histórico e emocionado de Flávio Dino. (Ouça na íntegra aqui).

    A desembargadora Nelma Sarney chegou a ficar constrangida com o pronunciamento do governador eleito – que citou a Operação Lava Jato ao defender a necessidade da reforma política, mas foi acalmada pelos desembargadores Fróz Sobrinho (presidente do Tribunalg

    Regional Eleitoral) e Cleones Cunha.

    Outra ausência sentida foi a do senador João Alberto (PMDB), que não presenciou a diplomação do próprio filho, João Marcelo (PMDB), eleito deputado federal.

  • Geral
  • Rapidinhas da manhã

    O próximo líder Informações palacianas dão como certa a indicação do deputado estadual César Pires (DEM) para a liderança da oposição na Assembleia Legislativa do Maranhão, a partir de fevereiro de 2015. Falta sustança O senador José Sarney considera Roberto Costa (PMDB), o atual porta-voz do governo no parlamento estadual, incapaz para exercer o posto com […]

    21 de outubro de 2014 | Por:

    cesarpiresO próximo líder

    Informações palacianas dão como certa a indicação do deputado estadual César Pires (DEM) para a liderança da oposição na Assembleia Legislativa do Maranhão, a partir de fevereiro de 2015.

    Falta sustança

    O senador José Sarney considera Roberto Costa (PMDB), o atual porta-voz do governo no parlamento estadual, incapaz para exercer o posto com responsabilidade.

    A volta dos que não foram

    Derrotado nas urnas neste ano, o grupo Sarney traça planos para as próximas eleições. Em 2016, Sarney sonha em ver a filha Roseana ou o neto Adriano na disputa com Edivaldo Holanda Junior (PTC) pela Prefeitura de São Luís.

    Cerca velha

    Também humilhada nas urnas, a turma sarnopetista ameaça lançar candidato a prefeito da capital. Na disputa, Yglésio Moyses (com três derrotas no currículo eleitoral) e o deputado federal eleito, Zé Carlos. Zé Antônio Heluy já conversou com a mãe e corre por fora para viabilizar-se candidato a vice-prefeito.

    yglesio prefeito

    A turma da boquinha

    Macaxeira, Romão, Monteiro, Berê, Xetrepa, Endles, Carlos Aguiar, Claudio Barcelos, Robert Lobato, Nonato Chocolate e companhia, no entanto, não descartam a possibilidade de apoiar Edivaldo, em troca de algumas boquinhas e sinecuras para abrigar a turma que deixou o governo Roseana Sarney pela porta dos fundos.

    Sentando na janela

    Depois de Othelino Neto (PCdoB), é o dono do Curso Wellington que ameaça peitar Humberto Coutinho (PDT) na briga pela presidência da Assembleia Legislativa.

    Mais mudanças

    O governador eleito, Flávio Dino (PCdoB), desembarca em São Luís no próximo domingo para votar no segundo turno das eleições presidenciais.

    Tutty Vasques

    Tem pichação nova nos muros da Esplanada dos Ministérios. “Cadê Edison Lobão?” Será que resolveu esticar as férias até o natal?!