Geral

Roseana Sarney governou 6 dos 10 anos que fizeram do Maranhão o campeão no aumento de assassinatos no país

Coluna do Ricardo Setti

Amigos, vocês viram o “Mapa da Violência 2011 – Os Jovens do Brasil”, estudo pelo Ministério da Justiça e pelo Instituto Sangari?

(O instituto, que tradicionalmente realiza o “Mapa da Violência”, sob coordenação do sociólogo Júlio Jacobo, é mantido pela Sangari, uma empresa “que cria, desenvolve, produz e implementa metodologias e materiais educacionais para o aprendizado de ciências no ensino fundamental, e tem parceiros como a Fundação Clinton, o Banco Interamericano e a Unesco, órgão da ONU para a educação, ciência e cultura).

Pois ali a magnífica notícia é que, no período 1998-2008, diminuiu drasticamente o número de homicídios em dois Estados grandes e tradicionalmente problemáticos – São Paulo, o maior deles, e o Rio de Janeiro, terceiro em importância, logo após Minas Gerais. São Paulo baixou em 62,4% o número de homicídios, e o Rio, 38,6%.

Na cidade de São Paulo, a queda foi ainda mais positiva, de impressionantes 76% entre a população em geral e de 81% entre jovens de 15 a 24 anos, de tal forma que São Paulo é a capital onde proporcionalmente morrem menos jovens no país.

Em compensação, é absolutamente assustadora a situação no Maranhão, Estado onde mais cresceram os homicídios em geral – espantosos, horrendos 297%, e quase inacreditáveis 514,9% quando se trata de jovens.

O que será que tem a dizer a respeito a governadora Roseana Sarney (PMDB) – que ocupa o cargo pela quarta vez e que, dos 10 anos abrangidos pela pesquisa, esteve pilotando o Maranhão em 6?