Notícias, entrevistas e informações
sobre política e cotidiano do Maranhão.
Rádio Timbira Ao Vivo
  • Geral
  • Combatentes por natureza

    Apostando em esporte, cultura e jornalismo, TV Guará cresceu no Ibope e foi à única emissora maranhense que não demitiu funcionários nos tempos de crise.

    8 de fevereiro de 2016 | Por:

    Soa repetitivo tecer elogios a TV Guará. A cada ano a emissora vermelha dá um passo à frente na busca pela preferência da população da capital e até mesmo do Maranhão, afinal a programação pode ser vista ao vivo também pelo seu portal www.tvguara.com.

    Em 2014, foram os destaques do processo eleitoral, realizaram uma parceria com o instituto Exata e juntos desbancaram o IBOPE. Em 2015, apostaram no esporte maranhense e iniciaram um projeto de resgate do futebol. 2016 começaram com tudo, além das transmissões de futebol direto do interior a TV Guará surpreende mais uma vez e num gesto de valorização da nossa cultura com a transmissão vivo os desfiles das escolas de samba de São Luís. Um projeto ousado que envolve mais de 50 profissionais, todos maranhenses, um sinal que a emissora investe na mão de obra local e tem um projeto de gestão correto e que vem crescendo nos últimos 05 anos. Vale registrar que a TV Guará foi à única emissora maranhense que não demitiu funcionários nos tempos de crise.

    A verdade é que não foram poucas as vezes que ouvi zombarias sobre a TV Guará, muitas delas justificadas pela soberba dos tempos de bonança. As palavras ainda devem incomodar um pouco, mas com certeza já não doem como antes. O incomodo deriva da pequenez dos que não perceberam a partida do trem da oportunidade e insistem em rastejar em busca de espaços cada vez mais reduzidos.

    Para refletir, deixo um artigo, uma letra, um poema ou simplesmente um desabafo de um dos grandes gênios da arte brasileira.

    “Vocês esperam uma intervenção divina, mas não sabem que o tempo agora está contra vocês. Vocês se perdem no meio de tanto medo de não conseguir dinheiro pra comprar sem se vender. E vocês armam seus esquemas ilusórios, continuam só fingindo que o mundo ninguém fez. Mas acontece que tudo tem começo e se começa um dia acaba, eu tenho pena de vocês.”

    Renato Russo

     

  • Política
  • Hildo Rocha se declara preso e vira motivo de piada no Congresso

    Após ter assessores detidos, aliado da família Sarney se apresentou ao chefe da Polícia no Senado e declarou: “Então eu me prendo!”.

    6 de fevereiro de 2016 | Por:

    Coluna Esplanada – É mesmo um Congresso pitoresco, circo sem picadeiro.

    O deputado federal Hildo Rocha (PMDB-MA) se deu voz de prisão na Casa. Isso mesmo – e pelo ocorrido, seus pares não deixaram de ironizá-lo.

    Na última terça-feira, ao saber que o motorista e assessor foram detidos pela Polícia Legislativa numa confusão, Hildo Rocha, aliado da família Sarney, se apresentou ao chefe da Polícia no Senado e, ao ter pedido de soltura da dupla negado, declarou: “Então eu me prendo!”.

    E Hildo ficou na sala-cela com os subordinados, de braços cruzados e beiço, até pegar o telefone e ligar para o “advogado” Renan Calheiros (presidente do Senado).

    Ocorreu o seguinte: na pressa para ver a incompetente e desgastada presidente Dilma Rousseff na sessão de abertura do Ano Legislativo, o deputado Hildo Rocha ordenara ao motorista que furasse o bloqueio da viatura da Polícia Legislativa já no perímetro do Congresso, e ele desviou o carro passando pelo gramado.

    Hildo subiu correndo, mas os assessores foram detidos em seguida. O impasse só terminou, sem auto de infração, com o ‘habeas corpus’ concedido pelo presidente do Congresso, após a ligação do aliado, e a Polícia Legislativa os liberou, mesmo contrariada.

  • Eleições 2016
  • Picolé de Chuchu tenta faturar politicamente em cima de obra de Flávio Dino

    Luis Fernando, espremido ao lado do enrolado Waldir Maranhão, tentando colher dividendos políticos de obra realizada pelo governo Flávio Dino.

    de fevereiro de 2016 | Por:

    O ex-aliado da família Sarney, Luis Fernando Silva, é um daqueles agentes políticos que não se emenda mesmo.

    Já em campanha aberta rumo as eleições de outubro, quando pretende disputar o cargo de prefeito do município de São José de Ribamar, Picolé de Chuchu protagonizou, neste sábado, cenas lamentáveis e dignas dos chamados aproveitadores políticos.

    O governador Flávio Dino, acompanhado do prefeito Gil Cutrim, inaugurou a nova Avenida Tancredo Neves, mais conhecida como Estrada do Socorrão II.

    O trecho de aproximadamente um quilômetro, localizado no território ribamarense ligando a MA – 201 ao retorno que dá acesso a região das Vilas, recebeu, além de asfalto, sistema de drenagem profunda, o que colocou fim aos alagamentos.

    A execução da obra, como é de conhecimento público, foi solicitada ao Governo, ainda no ano passado, pelo próprio Cutrim, vereadores da cidade e até por deputados estaduais.

    No entanto, LF, que não declarou apoio a Flávio Dino nas eleições de 2014, resolveu dar uma de pai da criança. No local, não se fez de rogado e começou a disparar pérolas do tipo “o governador Flávio atendeu o meu pedido e do povo”.

    A situação causou constrangimento entre os presentes.

    Um vereador, que não se curva a Picolé de Chuchu e em 2008, durante a campanha eleitoral, por pouco não dá uns catiripapos no ex- pré-candidato da oligarquia Sarney ao Governo, debochou: “Esse rapaz [Luis Fernando] é assim mesmo. Durante 30 anos jurou amor a família Sarney. Foi só Flávio Dino ganhar que ele desembarcou no grupo do governador jurando fidelidade eterna. O velho Sarney perde é feio pra ele no quesito se acomodar ao lado de quem está no poder”.

    Um membro da família do ex-prefeito Jota Câmara, já falecido, parecia siri na lata.

    Vendo a patacoada promovida por Picolé de Chuchu, resolveu liberar os comentários em alto e bom som: “Em 2004, depois de se eleger prefeito com nosso apoio, a primeira coisa que Luis Fernando fez foi expurgar da Prefeitura todas as pessoas que tinham relação com o ex-prefeito Jota Câmara. Perseguiu e exonerou todos. Ele age assim, é amigo somente quando lhe convém. Quando os seus interesses falam mais alto, ele trai sem pestanejar, O governador que abra o olho”.

    Como se vê, não está nada a fácil a vida de LF junto a classe política da cidade.

  • Geral
  • Imagem do dia: Foi dada a largada para o ‘Carnaval de Todos’

    Para este ano a novidade será a realização das festividades ainda no período matutino, com o objetivo de possibilitar com que várias famílias possam brincar com muita tranquilidade.

    de fevereiro de 2016 | Por:

    Na noite desta sexta-feira (5), o governador Flávio Dino, ao lado dos secretários municipais Lula Fylho (Governo) e Marlon Botão (Cultura), e do secretário estadual de Cultura, Diego Galdino, abriu as festividades do ‘reinado de Momo’, em solenidade realizada na Casa do Maranhão, na Praia Grande.

    A novidade deste ano é que a festa, além do período noturno, acontecerá também pela manhã e tarde. Serão 37 Blocos Tradicionais, 12 Blocos Organizados, 10 Escolas de Samba, 13 Tribos de Índio, 11 Blocos Afro, 16 Blocos Alternativos, 30 grupos de Tambor de Crioula e quatro turmas de samba, além de bandas e artistas que farão shows solo.

    Abaixo fotos da abertura do ‘Carnaval de Todos’:

    Governo do Estado e Prefeitura de São Luís iniciam oficialmente o ‘Carnaval de Todos’ (1) Governo do Estado e Prefeitura de São Luís iniciam oficialmente o ‘Carnaval de Todos’ (3) Governo do Estado e Prefeitura de São Luís iniciam oficialmente o ‘Carnaval de Todos’ (6)

  • Geral
  • Sousândrade divulga resultado para concurso de professor do MA

    O concurso de 1.500 vagas para professor com salário de R$ 4.985,44 para a jornada de 40 horas semanais.

    5 de fevereiro de 2016 | Por:

    A Fundação Sousândrade divulgou o resultado final do concurso para professor da rede estadual do Maranhão após análise de títulos. Claro que ainda cabe recurso, de hoje (5) até o dia 11 de fevereiro.

    Confira a relação de aprovados e detalhamento das notas

    Verifique seu desempenho individual aqui

    O concurso de 1.500 vagas para professor com salário de R$ 4.985,44 (vencimento e 104% de Gratificação de Atividade do Magistério) para a jornada de 40 horas semanais.

    Além de São Luís, o concurso também foi aplicado nas cidades de Bacabal, Balsas, Caxias, Imperatriz, Pinheiro, Timon, Codó e Santa Inês.

    As informações são do blog do Clodoaldo Corrêa.

  • Geral
  • Ricardo Murad se atrapalha ao ver camburão

    Mentor de organização criminosa acusada de desviar R$ 1,2 bilhão da Saúde usou uma foto antiga com o objetivo de criar novo factoide contra governo Flávio.

    de fevereiro de 2016 | Por:

    Na manhã desta sexta-feira de Carnaval, após o governador Flávio Dino (PCdoB) entregar 50 novas viaturas às polícias Civil e Militar do Maranhão, o ex-secretário Ricardo Murad (PMDB) fez uso de uma foto antiga na tentativa de criar factoide para desmerecer os esforços do Governo do Estado na área de Segurança Pública.

    A imagem forjada pelo cunhado de Roseana Sarney fala por si: Uma viatura antiga, sem placas, caindo aos pedaços e com a logomarca do governo anterior, carrega engradados de cerveja em uma estrada do interior.

    O flagra é de 2013 e até foi pauta de reportagem no Sistema Mirante de Comunicação.

    Talvez, o “ato falho” de Murad seja justificado por um episódio ainda recente na memória dos maranhenses.

    Em dezembro do ano passado, ele chegou à Superintendência da Polícia Federal do Maranhão de carona em um camburão cercado de policiais fortemente armados, para um interrogatório de quase 13 horas na Operação Sermão aos Peixes.

    O fato de ser apontado como “mentor da organização criminosa” acusada de desviar R$ 1,2 bilhão dos cofres da Saúde pode ser o motivo para o desequilíbrio e a falta de discernimento de Ricardo Murad ao perceber que o governo Dino está investindo em viaturas. 

    Seria, por acaso, medo de parar de novo nas barras da justiça?

  • Geral
  • Esquema de propina de R$ 30 milhões acertado entre Lobão e o dono da UTC pode ter beneficiado Renan

    PF suspeita que Renan recebeu propina em forma de doação. Presidente do Senado passa a responder mais um inquérito no STF

    de fevereiro de 2016 | Por:

    O GLOBO — A Polícia Federal (PF) aponta indícios de corrupção passiva e lavagem de dinheiro em pedidos de doação de campanha em 2014 feitos pelo senador Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado, e Romero Jucá (PMDB-RR), segundo vice-presidente da Casa. Doações de R$ 3 milhões, solicitadas aos filhos dos senadores, podem se configurar propina de um pacote de R$ 30 milhões acertado entre o senador Edison Lobão (PMDB-MA), ex-ministro de Minas e Energia, e o dono da construtora UTC, Ricardo Pessoa, conforme a suspeita da PF em relatório ao qual O GLOBO teve acesso.

    A PF sustenta que a propina teria sido acertada a partir de contrato obtido pela UTC nas obras da usina nuclear Angra 3, em Angra dos Reis (RJ). A suspeita da PF é que os “elementos amealhados” no caso da Petrobras, com propina travestida de doação oficial de campanha, “autorizam a suspeitar que a mesma sistemática tenha sido utilizada no âmbito da Eletronuclear”.

    Diante desses indícios, o delegado da PF Thiago Machado Delabary encaminhou ofício ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki pedindo a ampliação de inquérito que já investiga Lobão, com a inclusão de Renan e Jucá no rol de investigados. Teori é o relator dos processos da Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), inclusive desse inquérito. O procedimento teve tramitação oculta no tribunal, e todos os documentos eram mantidos sob sigilo.

    O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, considerou “essencial a extensão das investigações do inquérito para alcançar o recebimento de vantagens indevidas por membros do Congresso Nacional vinculados ao PMDB como decorrência da contratação de consórcio para obras em Angra 3, particularmente os senadores Renan Calheiros e Romero Jucá”. Em 8 de setembro de 2015, Teori determinou a ampliação das investigações e a inclusão de Renan e Jucá no rol de investigados.

    Por meio de sua assessoria de imprensa, o senador Renan Calheiros negou as suspeitas da PF. Renan disse já ter prestado todos os esclarecimentos e se colocou à disposição para quaisquer novas informações.

    PEDIDO PARA INVESTIGAR FILHOS DE RENAN E JUCÁ

    O pedido da PF ao STF apontou ainda a necessidade de investigar as doações feitas pela UTC à campanha de Renan Filho (PMDB), o filho do presidente do Senado eleito governador de Alagoas em 2014, e de Rodrigo Jucá (PMDB), filho de Romero Jucá derrotado nas últimas eleições em Roraima – ele foi candidato a vice-governador na chapa de Chico Rodrigues (PSB). Na decisão de Teori, a ampliação do escopo do inquérito não incluiu os filhos dos senadores.

    Registros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostram que a direção do PMDB em Alagoas recebeu doações de R$ 1 milhão da UTC. Já a direção do partido em Roraima foi financiada em R$ 1,5 milhão pela empreiteira.

    INQUÉRITO INVESTIGA EDISON LOBÃO

    O inquérito autorizado pelo STF já investigava um suposto pedido de propina de Lobão no valor de R$ 30 milhões, dinheiro que deveria ser destinado a campanhas eleitorais do PMDB em 2014. Desse total, R$ 1 milhão teria sido entregue em espécie a André Serwy, filho de um ex-sócio de Lobão, conforme delação premiada de Ricardo Pessoa. O delator afirmou que o acerto foi feito pessoalmente com Lobão e que seria uma contrapartida a contrato obtido pelo consórcio UNA 3 – integrado por UTC, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Odebrecht – para executar montagem eletromecânica de Angra 3, no valor de R$ 1,75 bilhão.

    Renan e Jucá procuraram Pessoa depois desse suposto acerto e pediram doações aos filhos, de R$ 1,5 milhão cada, em jantares em hotéis de luxo em São Paulo. Ao fim da conversa, Renan teria citado o contrato da UTC em Angra 3. A PF suspeita que os pedidos foram “em razão da contratação do consórcio” para obras da usina nuclear.

    “Contribuições financeiras solicitadas a Ricardo Pessoa pelos senadores da República Renan Calheiros e Romero Jucá para as campanhas políticas de seus respectivos filhos, em 2014, poderiam configurar, em tese, os delitos de corrupção e lavagem de dinheiro”, cita o pedido da PF encaminhado ao STF. “Há indicativos de que tais contribuições tratam-se, em verdade, de vantagens indevidas solicitadas por integrantes da alta cúpula de partidos políticos em razão do mero fechamento de contrato com diretoria cujo cargo é ocupado por pessoa supostamente indicada pelo referido partido. Tanto é que Ricardo Pessoa afirmou que faria o desconto dos valores disponibilizados aos filhos dos senadores do montante que havia se comprometido de pagar a título de propina (R$ 30 milhões)”.

    INDICAÇÃO PARA PRESIDENTE DA ELETRONUCLEAR

    Ainda conforme a PF, a Lava-Jato já demonstrou ser “lugar-comum” o pagamento de contribuições a campanhas eleitorais em função de contratos de empreiteiras com a Petrobras. Cinco elementos foram listados no ofício do delegado Delabary para justificar a inclusão de Renan e Jucá no rol de investigados, juntos com Lobão. Um deles é o fato de o então presidente da Eletronuclear, Othon Luis Pinheiro, ter sido indicado ao cargo pelo PMDB. Othon foi preso numa das fases da Lava-Jato e é réu na Justiça Federal em Curitiba por conta de suposto recebimento de propina de empreiteiras contratadas em Angra 3.

    O ofício ao STF cita trecho do depoimento de Pessoa em que ele disse ter ouvido de Othon: “Vocês estão muito bem qualificados, vão ganhar, então vocês vão precisar contribuir para o PMDB”. Um terceiro elemento, conforme a PF, foi a orientação do então presidente da Eletronuclear para que o empreiteiro procurasse Lobão, “que teria pressa em agilizar a contratação antes das eleições de 2014”.

    O dono da UTC afirmou que foi nesse encontro que acertaram os R$ 30 milhões. Pessoa disse ter entendido que “qualquer contribuição oficial para as campanhas políticas nas eleições de 2014, em relação ao Senado, destinadas ao PMDB, seriam uma contrapartida pelo contrato de Angra 3”.

    “Há fundados indícios de que é indevida a solicitação e o recebimento de uma vantagem econômica decorrente da mera formalização de um contrato com órgão público. Também há fundados indícios de que tais pagamentos só foram solicitados em razão da função pública exercida pelos mesmos, de senadores da República, inclusive pertencentes à alta cúpula de um partido político que indicou o presidente da Eletronuclear”, escreveu a PF no ofício ao STF. Os mesmos fatos imputados a Lobão podem implicar Renan e Jucá, conforme o delegado, “ainda que praticados em momentos distintos”.

    JUCÁ NEGA RELAÇÕES PESSOAIS COM EMPREITEIRO

    A partir da autorização do STF de ampliação do inquérito, a PF vem executando uma série de diligências relacionadas aos dois senadores. Jucá prestou depoimento à polícia em 11 de novembro, na condição de investigado. No mesmo dia também compareceu à PF Rodrigo Jucá.

    O senador afirmou não ter mantido relações pessoais com Pessoa e disse ter estado uma única vez com o empreiteiro, no Hotel Fasano em São Paulo. Foi em 21 de agosto de 2014, quando pediu doação ao PMDB de Roraima. O parlamentar “credita essa doação ao respeito e importância de política (sic), pelo trabalho que desempenha como senador, sendo esse o modelo atual de doações”, registra o depoimento. Jucá negou ter feito menção a Angra 3 quando conversou com Pessoa.

    O filho do senador atribuiu ao pai, “presidente do partido em Roraima”, a captação de doações para campanhas eleitorais. Ele disse não saber quem foi o principal doador de sua campanha a vice-governador e afirmou que não conhece “pessoalmente” o dono da UTC.

    PF IDENTIFICA TRÊS ASSESSORES DE RENAN

    A PF também já fez a identificação de três assessores de Renan, apontados como responsáveis pela marcação de jantares do senador com o empreiteiro e também por acertos de doações de campanha. São eles: Everaldo França Ferro, assessor legislativo no gabinete do senador; Marcus Antônio Amorim dos Santos, ajudante parlamentar intermediário do gabinete; e Bruno Mendes, ex-assessor de Renan. A PF apontou em relatório produzido sobre os assessores que Bruno é sócio de um escritório de advocacia e de uma empresa de consultoria. Também relatou indiciamentos em inquéritos policiais, sem detalhar sobre o que se trata.

    A polícia expediu ofício ao Hotel Unique, em São Paulo, para saber se Pessoa, Renan e Jucá se hospedaram no hotel. O dono da UTC delatou que costumava jantar com Renan nos hotéis Unique e Emiliano e que “normalmente pagava a conta dos jantares”. O Unique informou à PF que Pessoa não se hospedou no hotel entre 2011 e 2014. Renan ficou hospedado entre 13 e 18 de abril de 2011. Jucá, entre 6 e 8 de abril de 2011.