E-mail: redacao@marrapa.com
Rádio Timbira Ao Vivo

– Leandro Miranda
  • Política
  • Derrotados e isolados Roberto Rocha e Madeira buscam saída para 2018

    O senador Roberto Rocha (PSB) esteve reunido nesta quinta-feira, 20, em seu comitê de pré-campanha na cidade de Imperatriz com o ex-prefeito Sebastião Madeira (PSDB). Até aqui, todas as manobras políticas da dupla têm sido fracassadas e agora buscam uma saída para evitar o vexame político em 2018.

    Roberto Rocha será candidato ao Governo em 2018, uma espécie de laranja da família Sarney. Porém, se Roseana não consegue 30% dos votos em pesquisa eleitoral, imagina o senador “asa de avião” que ganhou um mandato de Flávio Dino? Com a possibilidade do PSB romper com Temer, RR se assusta com o fato de não ter nem legenda e tenta com Madeira um ingresso no PSDB.

    O problema é que o filme de Madeira está queimado com os tucanos. O ex-prefeito não fez nem seu sucessor na cidade. Hoje quem comanda o tucanato maranhense é o vice-governador Carlos Brandão que já fechou todas as portas para Roberto no PSDB.

    Sebastião Madeira queria o Senado, mas deverá sair candidato a deputado federal e cobra também algumas dívidas políticas de RR.

    Isolados e derrotados em 2016, a dupla está enfraquecida e o abismo político dos traidores está muito próximo.

    21 de abril de 2017 às 17:47 | Por:

  • Política
  • EMA vazou delações contra Flávio Dino no ano passado

    Cópias de reportagens publicadas pelo Jornal O Estado do Maranhão e no site Imirante mostram que o sistema Mirante de comunicação sabia há pelo menos sete meses da delação contra o governador Flávio Dino (PCdoB). Ao contrário do factoide criado sobre uma suposta interferência do governador, o jornal da família já havia vazado o conteúdo do depoimento do ex-executivo da Odebrecht, José de Carvalho Filho.

    No dia sete de agosto de 2016, a página 3, de “O Estado”, informou que o governador Flávio Dino havia sido citado por executivos da Odebrecht como beneficiário de pagamento no valor de R$ 200 mil em propina. O conteúdo do delator José Carvalho Silva, só foi divulgado na semana passada e coincidiu com o mesmo valor publicado pelo EMA e pelo Jornal O Globo, um dia antes.

    Dino conseguiu no dia 17 de março documento emitido pela Câmara do deputados que comprova sua inocência, ao mostrar que não era relator de um projeto de Lei a qual supostamente teria recebido propina da Odebrecht. Foi essa prova que mexeu com os nervos da oposição.

    O Supremo Tribunal Federal criou uma comissão para investigar o vazamento do conteúdo das delações antes mesmo de ser liberado a imprensa. Diante das informações privilegiadas comprovadamente recebidas pelo jornal da família Sarney, é preciso saber como o as parceiras Mirante e Globo sabiam do caso.

    21 de abril de 2017 às 15:45 | Por:

  • Política
  • Bancada maranhense está indecisa sobre reforma da Previdência

    Antes contra, o deputado Victor Mendes (PSD) agora está indeciso sobre qual posição sobre a PEC 287\16 que reforma a Previdência, apresentada pelo Palácio do Planalto, com ajustes do relator Arthur Maia. Indecisos são maioria na bancada maranhense.

    Conforme levantamento mais recente feito pelo O Estadão na Câmara, entre os 18 deputados, Cleber Verde (PRB) aparece como convicto solitário na defesa da aprovação da proposta. Antes da proposta ser relatada, Verde gravou depoimento se explicando sobre a aprovação. Mesmo assim, no horário de propaganda partidária, o parlamentar aproveitou para manifestar apoio aos trabalhadores rurais, disseminando dúvidas.

    Quatro deputados da bancada continuam firmes contra a proposta: Weverton Rocha e Julião Amim, ambos do PDT; Rubens Pereira Júnior (PCdoB) e Zé Carlos (PT). Os deputados federais Eliziane Gama (PPS) e Waldir Maranhão (PP), que integram o grupos dos contrários à proposta de reforma de Temer, preferem não revelar como votarão em plenário.

    Antes favoráveis ao projeto, Alberto Filho (PMDB), Hildon Rocha (PMDB), Junior Marreca (PEN), Pedro Fernandes (PTB) e Zé Reinaldo (PSD) fazem parte dos deputados indecisos. Victor Mendes (PSD), que também era contra, está neste grupo.

    Já os deputados João Marcelo Sousa (PMDB) e Juscelino Filho (DEM), que eram a favor, preferem o silêncio. Enquanto, André Fufuca (PP) e Luana Alves (PSB) aguardam novas orientações para se posicionar sobre a PEC 287\16.

    Placar da reforma da Previdência:

    Contra
    Julião Amin (PDT)
    Rubens Pereira Júnior (PCdoB)
    Weverton Rocha (PDT)
    Zé Carlos (PT)

    A favor
    Cleber Verde (PRB)

    Não contatados
    Alberto Filho (PMDB)
    André Fufuca (PP)
    José Reinaldo Tavares (PSB)
    Luana Costa (PSB)

    Não quiseram responder
    Eliziane Gama (PPS)
    João Marcelo Souza (PMDB)
    Juscelino Filho (DEM)
    Waldir Maranhão (PP)

    Indecisos
    Hildo Rocha (PMDB)
    Júnior Marreca (PEN)
    Victor Mendes (PSD)

    Não encontrados
    Aluísio Mendes (PTN)
    Pedro Fernandes (PTB)

    20 de abril de 2017 às 20:24 | Por:

  • Geral
  • Qual planilha a oligarquia quer usar para atacar Flávio Dino?

    Veículos de comunicação e políticos ligados à família Sarney vêm usando duas planilhas para tentar ligar Flávio Dino a um suposto pagamento irregular feito pela Odebrecht. A tese construída é que as planilhas da Odebrecht mostrariam que o governador do Maranhão teria recebido propina da empreiteira. Em primeiro lugar, em nenhum momento o nome do governador aparece nas planilhas. Isso por si só bastaria para invalidar a acusação. Mas a inconsistência vai muito além disso.

    As próprias planilhas desmentem uma a outra. Quando comparadas, elas desmontam rapidamente a estratégia da oposição.

    Uma planilha é verde; e a outra é branca. Ambas teriam sido feitas pela Odebrecht, segundo a versão divulgada por blogs alinhados com os Sarney.

    Ainda de acordo com essa tese, elas mostrariam o destino do pagamento de R$ 200 mil em 2010. Uma informação muito importante: ambas as planilhas se referem ao mesmo dia.

    Só que a planilha verde mostra o destino do suposto pagamento como sendo o Distrito Federal. E a planilha branca mostra o destino como sendo São Paulo.

    Em todas as outras planilhas, a unidade da federação apontada na planilha indica o estado de origem do político. Em qualquer uma das duas planilhas, não é citado o Maranhão, estado de origem do governador.

    Outra dúvida: como um mesmo pagamento teria sido feito para pessoas diferentes ao mesmo tempo?

    20 de abril de 2017 às 17:28 | Por:

  • Política
  • Cafeteira se envolve em briga com delegado na porta da escola Crescimento

    O deputado Rogério Cafeteria (PSB) se envolveu em briga com um delegado na porta da escola Crescimento, no Bairro Renascença, por volta do meio dia, desta quinta-feira, 20.

    A discussão ocorreu em função de uma disputa por vaga em estacionamento na frente da escola, houve discussão e o parlamentar acabou sendo agredido na presença do seu filho. Cafeteira teve o óculos quebrado e escoriações no rosto.

    Em nota, o deputado informou que prestou queixa e que levará o caso à Justiça.

    Nota de esclarecimento

    Sobre o episódio envolvendo o deputado Rogério Cafeteira, na manhã desta quinta-feira (20), na porta da escola na qual o seu filho estuda, o parlamentar lamenta e confirma incidente de trânsito, no qual foi vítima de uma covarde agressão física dentro de seu carro, na presença de seu filho. O agressor se evadiu do local logo após a agressão.

    Esclarece, também, que ainda se encontra em estado de recuperação de uma cirurgia ao qual foi submetido há cerca de 20 dias, portanto em estado de saúde que inspira cuidados.

    O deputado já tomou as primeiras providências legais e afirma que levará o caso à Justiça.

    20 de abril de 2017 às 14:57 | Por:

  • Política
  • Roberto Rocha ficará mais perdido ainda se PSB romper com Temer

    O senador Roberto Rocha (PSB-MA) se aproxima de uma encruzilhada. Rocha ensaia candidatura ao Governo do Maranhão em 2018 andando pelo estado numa campanha solitária. Nesse sentido, se desloca da base política pela qual se elegeu em 2014 e abre diálogo com legendas até adversárias de antigos aliados. Na disposição despudorada de realizar um projeto pessoal, Rocha estreitou relações com o grupo Sarney e flertou com um espectro de legendas nanicas.

    Controlando o PSB no estado, com a anuência do presidente nacional da legenda, Carlos Siqueira, o senador pelo Maranhão estará em breve numa forquilha, no caso de haver rompimento do seu partido com o governo Temer, como querem algumas lideranças socialistas.

    Ex-tucano, Rocha votou pela cassação de Dilma. No entanto, na chapa pela qual se elegeu em 2014 pediu voto para a petista. Na fase inicial do governo Temer, pousou na foto com o presidente, pensando exclusivamente em ficar bem na República, angariar benesses para si.

    Toda a capacidade de mimetismo do senador e seu DNA governista permitem relações confortáveis com os Sarney. Daí, o leme que observa está mais fora do PSB que no interior da lenda. O partido quer fechar questão contra as reformas trabalhista e da Previdência. São desses temas que senador quer distância, basta ver o que expõe nas redes sociais em fotos ao lado de lavradores, quebradeiras de cocos… tudo gente que será atingida diretamente com as reformas.

    20 de abril de 2017 às 13:15 | Por:

  • Política
  • Waldir “Trapalhão” muda de voto de novo

    O deputado federal Waldir Maranhão (PP) sofre de graves problemas de consciência, convicção e cede fácil a pressões externas. Depois de ser contra na terça-feira, 18, a um requerimento que acelerou a reforma trabalhista, em menos de 24 horas mudou de opinião votando a favor da medida proposta pelo Governo Federal.

    O pedido de urgência para acelerar a tramitação da reforma foi aprovado por 287 votos a 144 nesta quarta-feira, 19. Na noite de terça, requerimento idêntico foi rejeitado, pois recebeu 230 votos a favor e precisava de 257. De um dia para o outro foi criada uma bancada de 24 deputados “vira casaca”. Entre eles o deputado Waldir Maranhão.

    O deputado Tiririca assumiu que a mudança ocorreu em função da pressão do PMDB sobre os partidos da base aliada, como o PP de Maranhão. Enquanto “Sassá Mutema” faz lobby para entrar no PT e sair senador, ele sede de forma natural as pressões de Temer,

    As trapalhadas de Waldir já viraram até folclore em Brasília. Quem não lembra da confusão criada como presidente da Câmara Federal quando anulou o impeachment da presidente Dilma (PT)? Depois, também sob pressão, voltou atrás.

    Portanto, confiar e esperar coerência do maranhense não é muito aconselhável. Enquanto ele pede abrigo no PT, ajuda nas medidas reformistas do PMDB.

    20 de abril de 2017 às 10:40 | Por: