Destaques

Aliados de Roberto Rocha imploram pela saída dele do PSB

A permanência no Partido Socialista Brasileiro virou uma questão de honra para o senador Roberto Rocha. Só isso explica sua insistência em permanecer no partido até mesmo quando um pedido de expulsão é aceito por unanimidade entre os membros da sigla. A situação é tão desgastante que os aliados mais próximos já pediram para ele buscar uma nova filiação.

Em discurso na tribuna da Assembleia Legislativa do Maranhão, a deputada Graça Paz revelou que ela e o marido, Clodomir Paz, chefe de gabinete do senador, já imploraram para Roberto deixar o PSB. O casal “Paz” reconhece que a situação é humilhante.

“Nós temos sugerido a ele que ele deixe o PSB, tantos e tantos convites ele está tendo de outros partidos, do PSDB, por exemplo, um grande partido. Inclusive, hoje eu coloquei um por que bem grande para o senador Roberto. Por que, meu amigo, você esperou que isso acontecesse quando você viu o que estava acontecendo aqui no PSB do Maranhão?”

Apesar dos apelos, Rocha não dá o braço a torcer. Ao invés de escutar os poucos aliados, prefere jogar a culpa pelo seu pedido de expulsão no governador Flávio Dino (PCdoB), esquecendo-se, porém, que atuou em causa própria desde o primeiro dia à frente da legenda fundada por Miguel Arraes.

Foi assim nas últimas três eleições. Com o PSB debaixo do braço, Asa de Avião tornou-se vice-prefeito de São Luís; dois anos depois, elegeu-se senador ao passar a perna no ex-governador José Reinaldo Tavares e, mais recentemente, boicotou a candidatura do correligionário Bira do Pindaré a prefeito da capital em busca de salvar a carreira política do filho, o inexpressivo ex-vereador Roberto Rocha Junior.