Publicidade  Prefeitura de São Luis

Destaque

Maranhão se adequa a medida de Temer que congela gastos

A Emenda Constitucional 95, promulgada pelo presidente Michel Temer, congelou por 20 anos, os investimentos em Saúde e Educação. Com a medida, desde 2017, não há aumento dos repasses federais para essas ações.

Com a derrota dos dois candidatos que prometiam revogar a medida (Haddad e Ciro), uma alteração da legislação ficou fora de pauta. Para se adequar à medida, sancionada por Temer, o governo do Maranhão já estabeleceu tetos para os gastos com Saúde.

Para otimizar a aplicação de recursos e os serviços prestados à população no Maranhão, entrou em vigor, desde 1º de novembro, a implantação do teto das despesas com a prestação de serviços assistenciais da rede estadual de saúde. A Portaria SES n.º 1.044 foi publicada no Diário Oficial do Maranhão na última terça-feira (30).

A mudança fará com que o repasse para especialidades de ginecologia/obstetrícia, cirurgia geral, clínica médica, anestesiologia, pediatria e ortopedia, dos Grupos Médicos, tenham um teto mensal de R$ 77.500 para a capital e 88.350 para o interior.

As especialidades médicas, decorrentes dos contratos de gestão da rede estadual de saúde, não previstas na portaria deverão apresentar redução linear de, no mínimo, 10% (dez por cento) sobre os valores atualmente pactuados.

Com a medida, a SES estabelece parâmetros para o teto do valor pago para os Grupos Médicos garante isonomia a serviços iguais, prestados em diversas unidades.

Comantário

  1. “A Emenda Constitucional 95, promulgada pelo presidente Michel Temer, congelou por 20 anos, os investimentos em Saúde e Educação.”
    Mentira! A emenda 95 não estipulou teto, nem congelou investimento em saúde e educação. Ao se referir a esses temas, a lei fala em investimento mínimo, não máximo. Se Flávio Dino vai fazer isso é por conta dele.
    Ok!, os gastos públicos estão congelados de maneira geral, mas nada impede que você corte alguns gastos desnecessários e invista mais em saúde e educação. Eu sugiro começar pelos cargos comissionados. Poderíamos também cortar gastos com festas, como o carnaval. Se procurarmos na LOA podemos encontrar mais uns sem-números de gastos desnecessários que poderão muito bem ir pra saúde e educação.

Comments are closed.