Publicidade  Prefeitura de São Luis

Destaque

Rapidinhas de Brasília – A República

PGR caça fake news

A Procuradoria-Geral da República (PGR) orientou procuradores eleitorais nos estados e em Brasília a manter foco total na disseminação de fake news durante a campanha eleitoral. Serão avaliados três requisitos para identificá-las: informação comprovadamente falsa, se tem potencial para desequilibrar o processo eleitoral e também será necessário ficar claro que houve uso de robôs ou mesmo impulsionamento eletrônico.

Censura x liberdade de expressão

No primeiro instante a estratégia da Procuradoria é barrar a disseminação desse conteúdo sem necessariamente tirá-lo do ar. Temendo a alcunha de censura, a PGR Raquel Dodge reafirmou que o órgão “tem compromisso com a liberdade de expressão”.

EMA propaga fake news

Usando e abusando da liberdade de expressão é que o jornal dos Sarney, O Estado do Maranhão, escancarou na capa do pasquim uma informação comprovadamente falsa. Na terça, 31, a manchete da capa jornal dizia em letras garrafais e em destaque “Economia do Maranhão cai 15,6% em três anos”. Os dados foram atribuídos à Tendência Consultoria Integrada, que em contato ao Marrapá desmentiu a informação. Mais uma fake news do jornal dos Sarney.

Erramos, mas não foi a gente

Na edição desta quinta-feira, 02, o pasquim dos Sarney apresentou uma correção sobre a informação fake news que eles inventaram sobre o PIB do Maranhão. Mas só na página 6 do jornal, não na capa como eles alardearam anteriormente, há uma tímida nota espremida entre matérias afirmando que o jornal foi induzido ao erro. Será que foi isso mesmo ou uma atitude proposital?

Nota da vergonha

A nota envergonhada no EMA, de acordo com a Tendência Consultoria Integrada, diz que a queda acumulada do PIB maranhense nos últimos três anos foi de 8,7% e não de 15,6%, como o jornal quis vender como verdade. A consultoria corrigiu ainda que o período da análise fora de 2015 a 2016 e em 2017 a projeção é positiva em 3,2%.

Lula articula isolamento de Ciro

Da cela de Curitiba onde cumpre pena, o ex-presidente Lula articulou o isolamento de Ciro Gomes (PDT) na campanha presidencial. De lá saíram as ordens para o PT de Pernambuco retirar a candidatura da petista Marília Araes, neta de Miguel Arraes, que estava equilibrada das sondagens para o governo do Estado.

Pernambuco em crise

Marília diz que vai recorrer à direção do PT para manter a candidatura, mas a disposição da Executiva Nacional do PT é deixar como está. O acordo do PT confirmou também o apoio aos candidatos do PSB no Amazonas, Amapá, Paraíba e Pernambuco. Com isso, Paulo Câmara (PSB) tem caminho aberto para reeleição e o PSB, em nível nacional, pode indicar neutralidade, isolando Ciro.

Minutos preciosos

De acordo com levantamento do Banco BTG Pactual, o PSB tem direito, por dia, a 3 minutos e 50 segundos na propaganda eleitoral durante a campanha presidencial. Já o PDT de Ciro Gomes tem direitos a 2 minutos e 20 segundos. Dá pra sentir o tamanho do bogue na campanha de Ciro.

Outros tempos, velhas práticas

A interferência do PT Nacional em alianças locais não é novidade. Em outras eleições o Maranhão sofreu com a mão pesada do partido, ao obrigar que o PT estadual andasse de mãos dadas com o MDB de Roseana Sarney, algo que nunca os envergonhou. Hoje, o PT diz apoiar a reeleição de Flávio Dino.