Publicidade  Prefeitura de São Luis

Destaque

Com reportagem tendenciosa, Record chantageia governo Dino

A Record, emissora ligada à controversa Igreja Universal do Reino de Deus, exibiu, há pouco, uma matéria tendenciosa e extemporânea sobre as investigações da Operação Sermão aos Peixes na Saúde do Maranhão, com a intenção explicita de chantagear Palácio dos Leões.

O material foi encomendado à TV Cidade pelo diretor de Jornalismo da emissora e biógrafo de Edir Macedo, Douglas Tavolaro, depois que o secretário Carlos Lula determinou a rescisão contrato com um tal de Instituto Gerir, ligado à direção da IURD, por irregularidades na gestão do Hospital Carlos Macieira.

Com sede em Goiânia, o Gerir é dirigido por Eduardo Reche de Souza e investigado em várias cidades do país por irregularidades na gestão de unidades de saúde, superfaturamento, atrasos no pagamento de servidores.

No Maranhão, o instituto está sendo substituído pela EMSERH, empresa pública criada pelo governo para assumir a gestão das unidades de saúde estadual.

15 Comnetários

  1. O pior é que o jornal da Record está certo, só quem usa os serviços dos hospitais públicos do Maranhão sente na pele o preço da corrupção. Não defendo nenhum politico, mas eles deveriam prover pelo menos o básico para a população(educação, segurança e saúde). Falo com propriedade porque pago caro por falta de recursos na saúde, essa semana já fui ao hospital mais de 3 vezes tentar marcar uma consulta e não consigo. A população deveria parar de levantar bandeira politica e passar cobrar os politicos, é por isso que eles acham que somos palhaços.

  2. Idependente da reportagem da TV Record, todos sabemos o caos da saúde do Maranhão. Se alguém tem dúvida, eu convido a visitar qualquer hospital público no estado que perceberá o caos que estamos vivendo. Queria apenas marcar uma consulta e quem disse que estou conseguindo….

  3. O jornal pode ter cometido excessos, mais a saúde do Maranhão está muito ruim e isso está bem visivel aos nossos olhos e somente cego não percebe. Sinceramente do jeito que está não dá, é preciso fazer mais …

  4. Engraçado 3 anos e é 5 meses depois aí a emissora faz uma reportagem e e taxada de chantagem? Daqui a pouco vão dizer que é culpa da família Sarney?? E aguardar pra ver!!!

  5. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK. Çey. Governo corrupto e perseguidor. Em outubro daremos um basta. Chega.

  6. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK. Çey. Pura verdade a matéria. Governo corrupto e perseguidor.

  7. A Record está prestando um serviço de utilidade pública que é informar a população acerca do caos na saúde. Agora vamos desqualificar a emissora só por isso? As outras emissoras que não prestam serviço à população é tão corrupta quanto os políticos. Temos que criar vergonha na cara e ficar revoltados é com a situação de descaso na saúde. Somente quem usa os hospitais públicos do Maranhão sabe que é a mais pura verdade. Conheço pessoas que tiveram cirurgias canceladas por falta de material básico. Isso tudo é revoltante.

  8. A emissora está de parabéns pela matéria, tem que mostrar mesmo o que está acontecendo no Maranhão. Tem que mostrar de qualquer governo e independente do partido político. Agora só precisamos investigar e punir os culpados…

  9. Só sendo muito cego para não perceber os problemas na saúde pública do Maranhão. A emissora está do lado de quem está realmente sofrendo que é o incauto povo maranhense.

  10. Rapaz ao que parece os que estão revoltados com a emissora estão apoiando a corrupção na saúde. Procurem criar vergonha na cara e parem de ser cegos. O Maranhão não precisa de defensores de partido político ou de governo. Basta ver os acontecimentos, o Maranhão nunca teve sorte com políticos. Vaia-nos Deus dessar corja de politico bandido.

  11. Tudo e todos que se colocam a falar do Governo Flávio Dino é taxado de Sarneysista ou de: louco; idemoniado; chantagista e etc etc!

    Um governo de só duas pessoas: Flávio Dino e seu assessor de assuntos paralelos… ?

Comments are closed.