Publicidade  Prefeitura de São Luis

Destaque

A trama política por trás do vazamento da carta que vitimou Mariano Castro

Em entrevista há pouco ao programa Ponto Continuando, da Mais FM, o advogado José Carlos Sousa dos Santos afirmou que não tem relação com o vazamento de uma suposta carta atribuída ao médico Mariano de Castro, rebatendo o “Rei dos Precatórios”, Jorge Arturo, que disse, no final de semana, que o colega de profissão teria repassado ou “vendido” o documento ao blogueiro Neto Ferreira.

Na entrevista de pouco mais de cinco minutos, Zé Carlos faz questão de rebater outra acusação ao revelar que o atual vice-presidente do PHS queria sim a delação de Mariano, recurso que perdera o sentido após o médico ganhar na justiça o direito a prisão domiciliar. Em declarações a blogs, Arturo garantiu que era contra qualquer tipo de delação.

“O Arturo, salvo engano, teve acesso a essa carta. Tanto que, na época, ele queria que o Mariano fizesse uma delação premiada”, assegurou Zé Carlos.

Em meio à guerra de versões entre os dois advogados – possivelmente para escaparem do crime de Quebra de Sigilo Funcional – fica evidente a trama por política por trás do vazamento da carta, possivelmente para comprometer agentes do governo Flávio Dino (PCdoB), além, claro, de arrancar dinheiro de incautos citados no documento.

Ligado aos interesses do clã Sarney, Arturo foi denunciado pelo Ministério Publico do Maranhão por fazer parte do esquema conhecido como Máfia da Sefaz, onde cerca de R$ 500 milhões de reais teriam sido desviados por uma quadrilha comandada, segundo os promotores, por Roseana Sarney (MDB) e Claudio Trinchão (PSD).

O advogado teria, de acordo com publicação do blogueiro Marco Deça, procurado os senadores Edson Lobão (MDB) e Roberto Rocha (PSDB), ambos adversários declarados de Dino, alegando que o médico correria risco de morte em Pedrinhas.

A véspera de conseguir habeas corpus de soltura no STJ, inclusive com parecer favorável do Ministério Público Federal, Mariano acabou pressionado pelo vazamento de suas anotações, usadas sordidamente para forçá-lo a fazer a delação no sentido de atingir o Governo do Estado.

Constrangido, Mariano viu-se encorajado a tirar a própria vida. E a mesquinha trama, patrocinada por Arturo, por blogueiros sedentos por dinheiro e por adversários políticos de Dino, fez sua primeira vítima.

Comantário

Comments are closed.