Publicidade  Prefeitura de São Luis

Geral

Flávio Dino sobre intervenção: “O diabo mora nos detalhes”

Portal Vermelho – O deputado federal e vice-líder do PCdoB na Câmara, Rubens Pereira Júnior (MA) questiona a possibilidade aventada por Michel Temer de suspender a intervenção decretada na segurança do Rio de Janeiro para discutir e votar a reforma da Previdência na Câmara dos Deputados. O questionamento também foi apontado pelo governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB).

Logo após assinar o decreto de intervenção, nesta sexta-feira (16), Temer disse que vai cessar a intervenção para votar a reforma da Previdência quando houver a avaliação da Câmara e Senado de que há votos mínimos suficientes para aprovar o texto. Desde que entrou na pauta, o governo não conseguiu atingir o número de votos para aprovar a reforma.

Rubens Júnior advertiu que com a decretação da intervenção federal, a Constituição Federal não pode ser emendada. “Pode ocorrer discussão e votação da Reforma, estando impossibilitada apenas a promulgação?”, interrogou.

O governador Flávio Dino, que é professor de Direito Constitucional e foi juiz federal, respondeu a indagação afirmando que a vedação à emenda constitucional decorre do reconhecimento de que a intervenção federal instaura uma situação de anormalidade institucional. A discussão e a votação integram o processo legislativo, logo também devem ser suspensas com o advento da intervenção.

“Se isso ocorrer, vai gerar um caos jurídico, pois então o Judiciário poderá apontar que a intervenção é medida violadora do princípio da proporcionalidade, logo inconstitucional por desnecessidade”, destacou Dino.

Pelas redes sociais, o governador também afirmou que “há algumas regras juridicamente esquisitas no Decreto de Intervenção no Rio” e também a “revogação” de normas estaduais”.

Ele cita o artigo 2º do decreto de Temer, que diz: “Fica nomeado para o cargo de Interventor o General de Exército Walter Souza Braga Netto. Parágrafo único. O cargo de Interventor é de natureza militar”.

“Que Direito Constitucional é esse?”, questiona. “Não quero me pronunciar sobre a conveniência da Intervenção. Mas como professor de Direito Constitucional e como governador, penso ser fundamental preservar a Federação, tal como regrada na Constituição. O diabo mora nos detalhes..”, completou.

Do Portal Vermelho

3 Comnetários

  1. No Rio, o diabo tá morando na ponta dos fuzis dos marginais apontadas à população q vive subjugada pelos marginais, governador!! O senhor tá do lado do povo q tá humilhado, amedrontado e morrendo nas mãos dos bandidos ou do lado dos criminosos q estão fortemente armados e matando??

  2. A intervenção no Rio de janeiro não passa de um plano politiqueiro de TEMER, pra vê se cresce em popularidade e aprovar a tal reforma da previdência

  3. esse vampiro temer de escola de samba—-tudo pirotecnia —querer resolver problemas sociais de abismo social, de monstruosa desigualdade social ….população dos morros, favelas sempre esquecidos por séculos …resolver com tanques de guerra, fuzis ……metralhadora ………..???????????????? INTERVENÇÃO MILITAR EM BRASILIA —e o vampirão preso.

Comments are closed.