Publicidade  Prefeitura de São Luis

Geral

Estudo estatístico mostra que família Sarney usa jornal como instrumento político

Um estudo estatístico sobre o principal jornal da família Sarney no Maranhão mostra que a cobertura varia de extremamente positiva a extremamente negativa dependendo de quem está no poder. O levantamento dá força à tese de que existe perseguição política feita contra os adversários do grupo Sarney.

A pesquisa examinou três anos e meio de cobertura do jornal O Estado do Maranhão, pegando dois grandes momentos políticos distintos: o governo de Roseana Sarney (PMDB) e a gestão de Flávio Dino (PCdoB), ambos pertencentes a grupos rivais.

A metodologia adotada por este blog consistiu em atribuir valores positivos e negativos em relação à presença do governo na capa do jornal. Ou seja, se a capa era favorável ao governo, a mensuração era positiva. Se era desfavorável ao governo, era negativa. A análise levou em conta a manchete e os outros elementos da capa. É uma metodologia amplamente usada em pesquisas sobre veículos de comunicação.

A análise de todas as capas feitas em 2014, durante o último ano do governo Roseana Sarney, mostra que 66% da cobertura foi favorável à filha de José Sarney. Houve apenas 5% de menções negativas, mesmo se tratando de um ano eleitoral, em que a disputa política expõe as fragilidades do governo. As demais 29% menções foram neutras – ou seja, nem contra e nem a favor.

Além disso, 2014 foi marcado pelo ano das decapitações em Pedrinhas, o que naturalmente elevaria a fatia negativa. A cobertura sobre o caso de fato foi inicialmente desfavorável ao governo, mas depois o jornal passou a disseminar a mensagem de um governo atuante no combate ao crime.

Muda o governo e muda a curva

Já em 2015, a partir do governo Flávio Dino, a situação se inverte. De todas as capas naquele ano, 53% foram negativas ao governo. Apenas 8% foram positivas. E 39%, neutras. As menções positivas se concentraram nas notícias sobre a Lei Seca.

Em 2016, ainda na gestão Flávio Dino, o índice negativo diminui e chega a 38%. Mas essa redução não foi reflexo de uma mudança de postura do jornal, já que o índice positivo também caiu, indo para 5%. O que cresce bastante é o índice de neutro: 57%.

Isso se explica pela menor exposição do governo estadual no jornal O Estado do Maranhão, uma vez que se tratou de um ano de eleições municipais e de grande turbulência no cenário nacional, com a crise econômica e política que incluiu o impeachment da então presidente Dilma Rousseff. Ou seja, o jornal teve menos espaço para falar do governo estadual.

Em 2017, as atenções voltam a estar concentradas no governo Flávio Dino, o que resulta, nos seis primeiros meses do ano, no maior índice negativo de todo o período analisado: 62%. O positivo cai ainda mais, chegando a 3%. E o neutro fica em 35%.

O aumento da curva negativa acompanha também a ampliação dos temas pré-eleitorais de 2018.

2 Comnetários

  1. Só pode ser piada! E tu, és o que? Um instrumento da mudança? O paladino da moralidade? Te enxerga, canalha mentiroso e invejoso…

  2. Isso é mais que óbvio, já tinha me perguntado porque ninguém fazia um levantamento estatístico a respeito. Grande trabalho.

Comments are closed.