Publicidade  Prefeitura de São Luis

Geral

Deputados querem aprovar distritão para facilitar a própria reeleição

Os deputados se movimentam para aprovar mudança nas regras eleitorais que, na prática, facilita sua própria reeleição. O chamado distritão, que prevê a eleição de vereadores e deputados por ordem de votação, faz parte da reforma política, cuja votação na comissão especial está prevista para hoje (9).

Entre os defensores do distritão está o deputado Hildo Rocha (PMDB), um dos principais articuladores da proposta. A única discordância que existe é se o sistema seria permanente ou transitório.

A ideia dos parlamentares mais experientes é uma  reação diante da perspectiva de grande renovação na Câmara devido às denúncias da Operação Lava Jato. Eles apostam na visibilidade que têm entre o eleitorado.

A avaliação é que os mais conhecidos, que já exercem mandato, têm mais chance de ser lembrado na hora da votação. Segundo o jornal O Globo, esse modelo é o favorito do presidente Michel Temer e é adotado em apenas quatro países: Afeganistão, Jordânia, Vanuatu e Pitcairn.

O PSDB, quer aprovar o chamado voto distrital misto, com vigência a partir de 2022. Por esse modelo, o eleitor vota duas vezes: em um representante de seu distrito (região que será definida dentro estado ou município) e em um partido político, responsável por definir uma lista pré-ordenada de candidatos. Metade das vagas seria preenchida pelos eleitos no distrito, e a outra, pelos partidos.

A base do governo no Congresso tenta aprovar a reforma política em até dez dias. Para que o distritão seja aprovado, é necessário o apoio de pelo menos 308 deputados, em dois turnos de votação. .

Contudo, essas mudanças deverão ficar em segundo plano, dando prioridade para as regras para financiamento de campanhas e criação de um fundo eleitoral abastecido com dinheiro público.

Com informações do Congresso em Foco