Publicidade  Prefeitura de São Luis

Geral

Luciano Leitoa responde a tentativa de intervenção de Roberto Rocha

“À luz da sociedade deve estar nossa postura como homens públicos, comprometidos com o triunfo do nosso povo e não com o êxito de projetos pessoais de poder”, diz o presidente Estadual do PSB a Roberto Rocha.

O presidente da executiva estadual do PSB, prefeito de Timon, Luciano Leitoa, divulgou nesta quarta-feira (27) uma carta aberta sobre a pressão que o senador Roberto Rocha faz dentro do partido para tentar tomar para si, o comando da legenda no Maranhão. Em um longo desabafo Luciano afirma que O PSB não tem espaço para projetos pessoais, que sacrificou a eleição do seu candidato a deputado estadual para eleger Rocha e Zé Reinaldo, ainda criticou a falta de participação do senador no partido e fez uma espécie de intimação ao “asa de avião”.

Luciano Leitoa de forma sutil acusa Roberto Rocha de traição. Na nota, o presidente do partido explicou que a candidatura de Flávio Dino em 2014 representava não um projeto pessoal, mas um conjunto de valores. Que naquele momento era preciso eleger a chapa com um senador de oposição e dos candidatos surgiram: Roberto e Zé Reinaldo. “Fui orientado pelo presidente Eduardo Campos a procurar o ex-governador Zé Reinaldo e sinalizei com o apoio do grupo político que represento em Timon para sua candidatura a deputado federal. Da mesma forma, o grupo político de Roberto Rocha o apoiaria para deputado em Balsas. Em troca estaríamos todos comprometidos com a eleição de Roberto Rocha para senador da república. Profundo conhecedor da conjuntura política do Maranhão e compreendendo aquele momento, o ex-governador abriu mão da disputa pelo senado e, em comum acordo com o governador Eduardo Campos, Zé Reinaldo candidatou-se a deputado federal”.

Por causa desse projeto, Luciano disse que foi obrigado a sacrificar a eleição do seu candidato a deputado estadual na região, que ficou apenas como primeiro suplente.

O presidente ainda disse que foi eleito democraticamente, que o partido não tem espaço para intervenções, lembrou que trabalhou muito pela reconstrução da legenda sem esperar qualquer tipo de reconhecimento. E aproveitou para criticar de forma velada as últimas ações de Roberto, na tentativa de tomar o comando do PSB para sair candidato ao governo em 2018. “Tratam-se de fatos jamais trazidos por mim ao conhecimento público porque acredito que estes gestos se fazem no anonimato. À luz da sociedade deve estar nossa postura como homens públicos, comprometidos com o triunfo do nosso povo e não com o êxito de projetos pessoais de poder”.

Por fim, fez uma espécie de intimação ao senador, para que ele apresente os motivos que o levaram a discordar dos rumos que o PSB tem seguido no Maranhão.  “Ao manter-se ausente do convívio partidário, de sua rotina e dos seus espaços deliberativos, o senador abre mão, antes de um direito, de um dever… Convido-o a participar da reunião do diretório estadual do partido sábado (30) e, diante de dirigentes, militantes e movimentos organizados, exponha sua posição e faça valer seu direito de discordar”.

Comantário

  1. BEM FEITO, Luciano Leitoa fez um acordo público na frente de Eduardo Campos em que ele se comprometia a apoiar eliziane em 2016 Luciano fez o acordo e a pedido de Eduardo Campos se comprometeu a honrar . E aí ? Não cumpriu nada e não
    Cumpre não tem moral para cobrar isso de ninguém

Comments are closed.