Publicidade  Prefeitura de São Luis

Geral

“Golpe” é promovido por quem quer parar a Lava Jato, diz governador do MA

Primeiro governador eleito pelo PCdoB nos 92 anos do partido, Flávio Dino, que comanda o Maranhão desde 2014, depois de interromper hegemonia de meio século da família Sarney no Estado, coloca-se agora na linha de frente da defesa do mandato da presidente Dilma Rousseff. Em entrevista ao UOL, o comunista tornou a falar em “golpe” e acrescentou: quem o promove são “oportunistas” que querem “parar a Lava Jato”.

Há de outro lado interesses de oportunistas que imaginam que derrubar a presidente seja caminho para parar a Lava Jato. Visam se proteger exatamente atacando a presidente, sobre a qual não pesa qualquer acusação”.

O governador, que prevê “o caos” a partir de um impedimento de Dilma, acusou ainda o vice-presidente Michel Temer de ser um dos “comandantes do golpe” e lembrou que, caso o peemedebista assuma após interrupção do mandato da petista, ele também terá de sofrer processo semelhante: “o próprio teria contra si a mesma acusação de ter assinado decretos de crédito sem autorização legal”.

Na entrevista, Flávio Dino faz defesa resignada à política de alianças entre partidos políticos como “necessidade histórica” do Brasil e, seguindo a linha de pensamento, propõe que só haverá saída estável com abertura de diálogo (ou governo de coalização) que una PT e PSDB. No entanto, a escalada oposicionista contra Dilma Rousseff desde a reeleição, lamenta o maranhense, impossibilita que tal projeto seja posto em prática atualmente.

UOL – Como o senhor viu o desembarque do governo do PMDB, partido que abriga seus maiores rivais políticos no Maranhão, em plano federal?

Flávio Dino – Não está muito claro esse desembarque, está meio parecido com a Batalha de Itararé, aquela que não houve. Foi noticiado, mas ainda não se consumou e não se sabe o que acontecerá. Parece-me importante que haja uma parte do PMDB que se mantenha próxima ao governo. É uma tendência, ajuda em momento de crise. Evidentemente, a consequência que se verifica é que uma parte do PMDB que consumou o desembarque permite que haja ampliação da base parlamentar do governo — o que eu acho bom. O PMDB está como sempre esteve: dividido sobre os principais temas do país.

O senhor acredita que coalizões como esta entre PT e PMDB esvaziam ou atravancam os próprios projetos políticos?

É difícil discutir isso abstratamente, como uma tese genérica, porque cada país tem uma história, uma formação. Se você olhar a Alemanha, verá uma coligação que a governa há mais de uma década. Na experiência chilena, tem a Concertación Chilena. No Uruguai, a Frente Ampla, que governa há muito tempo e é uma aliança de vários partidos. Já o sistema norte-americano é diverso, por uma série de razões.

No caso brasileiro, considerando nossa extensão territorial, imensa desigualdade regional e social, a complexidade cultural que o país tem e o fato de nós não termos um sistema de partidos sólido, secular, como de outros países, é inevitável que tenhamos por um lado uma democracia pluripartidária, com muitas expressões institucionais, e tem sido assim desde a redemocratização, e decorrente deste fato a automática necessidade de pactos entre vários partidos. Tem sido assim desde os anos 1980 e continuará a ser por bastante tempo. Isso decorre de uma necessidade sociológica e histórica do país.

As primeiras notícias após o desembarque dão conta de que poderia haver uma distribuição dos maiores cargos para PP e PR. Esta saída é válida para barrar o impeachment ou isso pode derreter ainda mais o apoio popular do PT?

Creio que está claro hoje para a esquerda política brasileira que é preciso fazer um duplo movimento que se complementa. Ou seja: de um lado você tem de acelerar um projeto de mudanças sociais, de programas sociais, como a recente inauguração da fase três do Minha Casa, Minha Vida, que sinaliza para a continuidade de um programa de distribuição de renda. De outro lado, um segundo movimento, que complementa este, é buscar segurança institucional que tenha programa com essas características.

Neste sentido, não vejo incomodo na esquerda política de um modo geral em relação à política de alianças que confira estabilidade ao governo da presidente Dilma. Acho uma medida acertada neste momento, sobretudo considerando a gravidade da crise econômica e também o peso dos ataques feitos ao governo, que exigem naturalmente que ele esteja resguardado. Quanto mais aliados se somarem a essa tese, acho positivo.

Mas estamos falando do PP, um dos partidos que tem mais nomes envolvidos na Lava Jato. Dar mais protagonismo ao PP no governo não pode incomodar a base social do PT, justamente no sentido de inviabilizar uma reeleição em 2018?

Na verdade, não é possível colocar a participação na Lava Jato como critério para nada, porque infelizmente você tem denúncias, acusações contra políticos de todos os partidos, inclusive os da oposição. Não é um referencial válido. A separação do joio do trigo é necessária, mas não tendo em conta o critério de ter pessoas deste ou daquele partido envolvidas. A questão central é seguir apoiando as investigações, apoiar o trabalho, desde que constitucional e legal, que seja feito pelo Ministério Público, pela polícia e pela Justiça. E que quem cometeu erros e crimes que os paguem.

Continue lendo no UOL.

5 Comnetários

  1. O Maranhão continua no foco nacional das piores notícias e esse governador falando bobagem. Quem quer, a toda evidência, obstruir os trabalhos da lava jato é a anta presidente e o molusco barbudo, aliás, os maiores bandidos desse país. O Maranhão regrediu. Começo sentir saudade da Roseana.

  2. Governador, ande no interior de carro, pegue a BR 135, quantos pais de família ja morreram nesta BR.
    E você foi eleito para resolver o problema do Maranhao. Agora vem defender bandido, vá trabalhar moco os maranhenses agradece.
    Não perca o seu tempo, e, a nossa paciencia tem limite, e as eleicoes vem aí. Nos aguarde, nosso voto é a nossa lei.

  3. Enquanto Flavio Dino se preocupa com o Mimimimimimi do golpe e sai em defesa da VIGARISTA de BH, o Maranhão está aí entregue à bandidagem, as escolas, os hospitais e as estradas continuam em colapso! Bom mesmo era quando estamos sob o jugo do HONORÁVEL BANDIDO SARNEY e sua famiglia. POBRE Maranhão!

Comments are closed.