Publicidade  Prefeitura de São Luis

Geral

Jornal de Sarney critica opção do governo Flávio Dino pelo mais pobres

o estado

O Editorial de hoje do jornal O Estado do Maranhão decidiu criticar a opção do governador Flávio Dino em dirigir seus discursos para a parcela mais carente da população do Estado. Desde o primeiro dia de posse, o governador tem iniciado um diálogo com movimentos sociais e populares e manifestado que o compromisso prioritário do governo é com os que necessitam de maior atenção do Estado através de políticas públicas.

Neste sentido medidas como o programa “Mais IDH” destinado a combater os vergonhosos indicadores sociais do Estado,  e outras iniciativas como a erradicação das escolas de taipa e a concessão de um benefício adicional do Bolsa Família para a compra de material escolar, além da criação da Secretaria de Agricultura Familiar, voltada para atender a demandas dos trabalhadores rurais se constituem algumas das principais ações feitas pelo governo do Estado nestes primeiros dias de gestão e que buscam viabilizar a enorme desigualdade social existente no Maranhão.

Porém, no entender do jornal O Estado do Maranhão, a população mais carente que  é mais “ fácil de ser convencida e manipulada” não deveria ser destinatária de tanta atenção por parte do governador do Estado

Eleito em primeiro turno, com ampla votação em todo o Estado, o governador Flávio Dino não é visto pelo jornal O Estado do Maranhão, como uma liderança, legitimada. Será que houve por parte do periódico uma saudade dos tempos do regime militar, quando os governadores “biônicos” eram escolhidos nos gabinetes,  “legitimados” pelo conchavo político entre os generais e os apoiadores da ditadura?

Priorizar os mais necessitados é um compromisso do governo Flávio Dino, definitivo e irreversível. O Jornal O Estado do Maranhão, pode até discordar disto, e tem todo direito de manifestar-se a este respeito em um regime democrático, mas é lamentável que construa ataques ao governador desdenhando daqueles a quem durante décadas o poder público virou as costas.