Publicidade  Prefeitura de São Luis

Geral

TV de Edinho impõe regras e não garante isonomia entre candidatos em debate

Blog do Garrone

No pátio da TV Difusora, grande parte dos carros fazem campanha para o candidato que é dono da emissora.
No pátio da TV Difusora, grande parte dos carros fazem campanha para o candidato que é dono da emissora.

As regras impostas pela TV Difusora ao debate entre os candidatos ao cargo de governador do Maranhão não foram aceitas pela Coligação Todos pelo Maranhão, que enviou carta ao diretor da emissora, Gilmar Correa. O material entregue em mãos ao jornalista demonstrou que diversas regras impostas pela TV poderiam beneficiar Edinho Lobão, dono da emissora.

Os advogados da coligação liderada por Flávio Dino enviaram documento à direção da emissora da Camboa avisando que o candidato do PC do B só participará do debate se houver regras claras, que garantam a isonomia no tratamento entre os candidatos e a pluraridade de opiniões.

A preocupação é o uso da emissora e do debate para beneficiar a candidatura de Edinho Lobão (PMDB), que é o proprietário do Sistema Difusora de Comunicação, que não aceita sequer a indicação de advogados pela OAB para acompanhar o debate e decidir os casos de direito de respostas, que venham a surgir.

A direção da Difusora entende que a equipe de advogados que fará a assessoria do apresentador para definir a concessão de direito de resposta a candidato ofendido durante o debate, seja formada por advogados da própria emissora; ou seja, contratados pelo próprio candidato Edinho Lobão.

Os advogados da Coligação Todos pelo Maranhão entendem que “em respeito à regra da imparcialidade que impera os debates eleitorais, o mais correto seria que advogados indicados pela Ordem dos Advogados do Brasil pudessem realizar a referida assessoria, uma vez que, conforme anteriormente explicado, o candidato Edison Lobão Filho, é sócio da emissora organizadora do debate, de modo que os advogados da emissora atuam na defesa de seus interesses como proprietário da empresa, sendo improvável que haja imparcialidade na assessoria prestada”.

Para completar a suspeição da imparcialidade do debate proposto, a TV Difusora não aceitou que o apresentador e mediador do programa seja um jornalista convidado do SBT, rede nacional a qual a emissora é afiliada.

Difícil acreditar que um jornalista contratado pela Difusora aja com total imparcialidade quando se trata de um debate envolvendo o próprio patrão, embora creia no respeito e competência dos profissionais que ali trabalham.

Da mesma forma a emissora quer gravar perguntas de populares sem dar acesso aos candidatos sobre o que foi perguntado; o que incorre no mesmo problema do mediador do debate, já que nada garante que essas perguntas não vazem da Redação para a Diretoria da empresa de Lobão.

Pelas dificuldades impostas pela emissora para flexibilizar suas regras e garantir o mínimo de imparcialidade possível, dificilmente qualquer candidato, com exceção do dono da Difusora, aceitará participar de um debate nestas configurações.

É esperar reine o bom senso e a emissora realize um debate democrático para que a população possa avaliar qual o melhor candidato para governar o Maranhão; sem os artifícios montados para beneficiar este ou aquele candidato como sugerem as regras propostas pela Difusora.

Todos os candidatos confirmaram presença no debate da TV Guará, que acontecerá no dia 14 de agosto. As regras da Guará, muito diferentes da Difusora, foram aceitas por consenso após diálogo da TV com os representantes das seis coligações.