Publicidade  Prefeitura de São Luis

Rapadinhas da manhã

Em nome do pai 

Emissários do Planalto ao Maranhão se espantaram com o tom de Roseana Sarney (PMDB) em relação ao pai, José Sarney. Ela se diz vítima de perseguição política “por herança do sobrenome” (Painel da Folha).

Picolé sai da toca

Após ficar intocado por mais de 15 dias nos calabouços da Ilha de Curupu, evitando se pronunciar a respeito da crise de segurança no estado, Luís Fernando Silva (PMDB) voltou a cair em campo, utilizando a estrutura dos governos estadual e federal para tentar consolidar a sua candidatura à sucessão de Roseana Sarney (PMDB).

Daqui a pouco, às 11 horas, ele participa, como representante do governo estadual, da entrega de  56 caminhões-caçamba e os 25 caminhões-pipa doados pelo Programa de Aceleração do Crescimento para estruturação das estradas vicinais e combate aos efeitos da seca nos municípios maranhenses.

Lobo mau

Atento ao cenário político atual, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, tenta a todo custo emplacar o filho, Edinho Lobão, como candidato do PMDB ao governo do estado.

A iniciativa do ministro tem apoio da direção nacional da legenda, que considera que o desgaste político do grupo Sarney nos últimos dias, consequência da crise na segurança pública do Maranhão, feriu de morte a candidatura de Luis Fernando Silva.

Acabou em samba

A banda carioca Choque do Magriça, do ator George Sauma, o Jonas de “Lado a lado”, acabou de lançar um CD com uma música em “homenagem” a Sarney. Diz assim:

“Tu reclamas da vida/Um dia ela te pega/Só não pega o Sarney que deve tá jogando uma sueca.” (Anselmo Góis)

Maranhão mais rico

Em palestra no São Luís Shopping, o empresário Wilson Mateus, do Supermercado Mateus, anunciou demissão de dois mil funcionários em 2014. Justificativa: As vendas em queda em 2013, 20% menor que 2012.

Piada do dia

Bonde-dos-40

José Sarney, Pedro Novais, Epitácio Cafeteira, Marly Abdala, Edison Lobão e a esposa contribuem para o aumento da perspectiva de vida no Maranhão.

Sem eles na contabilização da média final, a perspectiva de vida do povo maranhense, que já não chega a 70 anos, poderia ser bem mais baixa. A média brasileira é de quase 75 anos.